Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

25.7.07

Número 099






EDITORIAL

Como avisei na última edição do Boletim, estive semana passada em São Leopoldo, simpática cidade próxima a Porto Alegre. Ali, no imponente campus da Unisinos, universidade dos padres jesuítas, realizou-se o XXIV Simpósio da ANPUH – Associação Nacional de História.

vista panorâmica do Centro de Convivência da Unisinos - São Leopoldo - RS - foto RMF


Foi uma semana repleta, os simpósios estão cada vez mais gigantescos. Para se ter uma idéia, nessa semana que passou tivemos:


11 conferências
3 Discussões políticas (Novos espaços de atuação profissional do historiador – Ensino de História e formação do professor – A destruição legal e ilegal do patrimônio histórico).
76 simpósios temáticos. Em cada um, no mínimo 20 participantes, o que resultou em aproximadamente 1520 comunicações sobre
os mais diversos temas.
31 mini-cursos.


Isso tudo para o grande público, formado por professores, pesquisadores e estudantes, sem contar as várias reuniões dos GTs – Grupos de Trabalho da ANPUH e as reuniões administrativas. Falou-se em 5000 participantes, mas se não chegou a tanto, faltou pouco.
Claro...se esses números demonstram o gigantismo e a vitalidade dos historiadores brasileiros (ainda que se possa questionar a validade de certos objetos de estudo...) por outro lado impedem que uma pessoa possa acompanhar tudo que é oferecido. Assim, ao lado das conferências e discussões políticas, tive de optar por um mini-curso e quanto aos simpósios temáticos, acompanhei vários, mas principalmente aqueles em que pessoas conhecidas estavam apresentando trabalhos.
Grata surpresa: vários ex-alunos meus e colegas professores apresentando os resultados de suas pesquisas de mestrado, de doutorado.... é gratificante, realmente muito gratificante acompanhar o crescimento e a maturidade de todos.











Na segunda feira, a professora Laura Nogueira Oliveira discutiu a biografia de Tiradentes na História Geral do Brasil, de Francisco Adolfo de Varnhagen. Alguns estudiosos da obra de Varnhagen afirmam que ele adotou uma posição de condenação da personagem e o censuram pelo seu ponto de vista; outros acreditam que o historiador foi justo em suas avaliações de Tiradentes e defendem seu ponto de vista; outros, finalmente, afirmam que ele adotou uma posição vacilante sobre Tiradentes, o que denunciaria falta de segurança sobre os juízos emitidos. No entanto, ainda não se perguntou de que modo Varnhagen construiu seu personagem histórico e nem se analisou e avaliou as mudanças que ele realizou, da primeira para a segunda edição da HGB, no capitulo dedicado à Conjuração Mineira.
No mesmo dia e no mesmo simpósio, o professor Eliezer Raimundo de Souza Costa falou sobre Saber acadêmico e saber escolar: história, historiografia e sala de aula. Analisando o período entre 1918 e 1934, compara os trabalhos didáticos de João Ribeiro e Jonatas Serrano.
Ambos são amigos e professores em BH.








Na terça feira, Rodrigo da Costa Dominguez, ex-aluno que criou coragem, foi a Portugal, fez mestrado e agora está em Brasília. Ele apresentou uma parte de sua dissertação, intitulada Entre o discurso e a prática: religião, comércio e negócios em Portugal nos finais da Idade Média. Analisou ele a relação complexa e, sob certo ponto de vista, caracterizada pela tentativa de adaptação das atividades que envolviam as ocupações dos mercadores e dos homens de negócios, e da economia em geral, às normas impostas por uma Igreja Católica rígida e que necessita combater determinadas práticas para manter a sua coerência perante seus fiéis.









Na quarta feira, minha amiga e professora em SP, Margarete da Costa Cardoso apresentou a comunicação Ensino de História, Patrimônio e Memória: parcerias possíveis.
Mostrou que para construção do saber, para a fruição e formação do cidadão, a educação escolar se completa no entorno, nos lugares da memória, nos espaços expositivos – museus e outras instituições – na tradição oral e na produção cultural de uma sociedade ou grupo.











Na quinta feira, tive o prazer de ouvir o professor Leandro Karnal discorrer sobre O Novo Mundo chega ao Céu: santidade, representação e identidade nas Américas. O trabalho busca analisar questões como a identidade criolla, os modelos hagiográficos e a iconografia da santidade nas colônias espanholas. O processo da chamada “conquista espiritual” requeria que a vitória da Cristandade no Novo Mundo fosse acompanhada de confirmações celestes. A canonização ou a beatificação de personagens nativas das Américas ou que aqui atuaram, faz emergir debates importantes. Tais processos revelam uma fonte extraordinária para entender a cultura e os jogos de poder entre as sociedades constituídas nas Américas, a coroa espanhola e o papado.
Karnal também fez o lançamento de seu último livro História dos Estados Unidos, publicado pela Editora Contexto (isso na segunda feira a noite).

Júlio César Virginio da Costa, outro ex-aluno, que está concluindo seu mestrado na FAE-UFMG, apresentou “Os estágios na formação do professor de História”.
Sua pesquisa tem como eixo temático a formação do professor de História, especialmente os significados dados pelos próprios participantes das experiências vividas no Estágio Supervisionado nos anos iniciais do século XXI e na cidade de Belo Horizonte.




Finalmente, na sexta-feira, tive o prazer de ouvir meu ex-aluno Rangel Cerceau falar sobre “O viver de portas adentro: concubinato, família e mestiçagem na Comarca do Rio das Velhas (1720-1780)”. Analisando as devassas eclesiásticas e os testamentos, foi possível perceber aspectos referentes à mestiçagem biológica e cultural de homens e mulheres que em momentos diferentes da vida recriaram modos de viver e instituíram caminhos e alternativas que lhes possibilitaram condições objetivas de inserção social e familiar numa sociedade escravista.

Foram trabalhos muito interessantes e, no caso de meus ex-alunos, revelando a sua maturidade intelectual, o que me deixou extremamente satisfeito.
Bem... agora é esperar o próximo simpósio, em 2009, na cidade de Fortaleza.

Neste número do Boletim, claro, a crise aérea e a morte do político baiano Antônio Carlos Magalhães teriam de, necessariamente, aparecer. Chamo a atenção para o texto de Marco Aurélio Weissheimer na seção Brasil. O que ele diz reforça o que dizem outros articulistas em outros veículos que não os da grande mídia. Há um esforço redobrado, que já atingiu os quartéis, para uma ruptura democrática. Não se trata de paranóia: os sinais estão bem visíveis.


FALANDO DE HISTORIA

1. Enchentes violentas isolaram ilhas britânicas
Imagens de alta resolução confirmam antiga hipótese sobre evento que definiu contornos da Europa
Leia em http://cienciahoje.uol.com.br/96732


2. “Eu não anistio os torturadores do Vlado” Por Cylene Dworzak Dalbon - Um depoimento de Clarice Herzog para nos mantermos livres. Leia. Manifeste-se!http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=651

BRASIL

1. Interessante, muito interessante este comentário do Renato Rovai da revista Fórum:

O fator Veríssimo na crítica a Lula
(23/07/2007 17:38)
No dia 19 deste mês, o escritor gaúcho Luis Fernando Veríssimo escreveu artigo publicado no Jornal Zero Hora e no O Globo que faz uma reflexão à respeito das vaias levadas pelo presidente Lula na abertura dos Jogos Pan-Americanos.

Pode parecer ridículo escrever isso, mas como jornalista percebo em algumas entrevistas que muitas das críticas necessárias que o governo Lula merece, muitas vezes acabam não sendo realizadas por setores sérios da sociedade exatamente pelo que vou chamar a partir de agora de Fator Veríssimo. Num artigo extremamente bem articulado e com contexto histórico, ele diz o seguinte:

“Antes de participar de um coro, veja quem estará do seu lado. No Brasil do Lula, é grande a tentação de entrar no coro que vaia o presidente. Ao seu lado no coro poderá estar alguém que pensa como você, que também acha que Lula ainda não fez o que precisa fazer e que há muita mutreta a ser explicada e muita coisa a ser vaiada. Mas olhe os outros. Veja onde você está metido, com quem está fazendo coro, de quem está sendo cúmplice. A companhia do que há de mais preconceituoso e reacionário no país inibe qualquer crítica ao Lula, mesmo as que ele merece. Enfim: antes de entrar num coro, olhe em volta.”

O que será que o deputado federal Fernando Gabeira, por exemplo, pensa a respeito desse raciocínio?



2. ANÁLISE DA NOTÍCIA - CRISE AÉREA (Agência Carta Maior)
Mídia eleva tom contra Lula. Ministro do STM sugere golpe


Editoriais e colunistas falam em “colapso do lulismo”, “corriola governamental” e incapacidade de governar o país. Ministro do Superior Tribunal Militar diz que “pessoas de bem vão se pronunciar como já fizeram em um passado não muito distante”.
Marco Aurélio Weissheimer - Carta Maior

PORTO ALEGRE – O tom das críticas ao governo Lula, em função da crise no setor aéreo, vem subindo crescentemente na mídia. O editorial do jornal O Estado de S. Paulo, nesta terça-feira (24), fala em “governo desacreditado” e “colapso do lulismo em matéria de permitir, em última análise, que o país funcione”. O Estadão refere-se ao Presidente da República como “o inexperiente Lula, o qual na irrefutável constatação de Orestes Quércia, em 1994, nunca dirigiu nem um carrinho de pipoca, antes de ambicionar o Planalto”. Na mesma direção, o colunista Clóvis Rossi, pergunta hoje, na Folha de S. Paulo: “se o país é incapaz de segurar um avião na pista, vai segurar o quê?”.

O jornal O Globo, também em editorial, diz que “a crise é mais profunda do que se quer fazer crer”. Também no Globo, Dora Kramer diz que “à corriola governamental tudo é permitido: agredir o público com grosseria, com leviandade, com futilidades, com fugas patéticas ao cumprimento dos deveres, com indiferença, vale qualquer coisa se a anarquia tem origem nas hostes governistas”. “Corriola”, em seu uso informal, significa “grupo de pessoas que agem desonestamente ou de forma inescrupulosa; quadrilha”.

Ministro do STM sugere golpe

O tom das palavras sobe também em alguns setores da sociedade. Além da desqualificação do governo federal, com o uso de adjetivos cada vez mais pesados, começam a aparecer também discursos de caráter golpista. Um exemplo:

“O que podemos dizer a esses ilustres jovens militares. Não desistam. Os certos não devem mudar e sim os errados. Podem ter certeza de que milhares de pessoas estão do lado de vocês. Um dia, não se sabe quando, mas com certeza esse dia já esteve mais longe, as pessoas de bem desse País vão se pronunciar, vão se apresentar, como já fizeram em um passado não muito longe, e aí sim, as coisas vão mudar, o sol da democracia e da Justiça brasileira vai voltar a brilhar”.

A declaração foi feita pelo ministro do Superior Tribunal Militar, Olympio Pereira da Silva Junior, durante a entrega de espadins a alunos que ingressaram nas academias militares do Exercito, Marinha e Aeronáutica, em julho deste ano. Ao saudar os novos alunos, Olympio Junior critica a situação política do país, faz uma apologia da honra, da moral e do patriotismo, lamentando que os jovens cadetes não poderão manusear os instrumentos militar que conhecerão no treinamento. Ele diz:

“Aqueles jovens, ainda puros, não sabem que vão estudar (e como vão estudar, durante toda a carreira) tudo sobre a arte da guerra e do combate e vão conhecer e aprender tudo sobre equipamentos e instrumentos militares, os mais modernos do mundo, mas que na realidade nunca irão manusear porque, no nosso País, não se acredita ser necessário a compra de armamento/equipamento militar para ficarmos em igualdade bélica a outras nações”. E critica a condição dos militares em relação aos demais funcionários públicos:

“Preparam-se, por toda a carreira, para dedicarem-se e ser fiel à Pátria, cuja honra, integridade e instituições deverão ser defendidas mesmo com o sacrifício da própria vida e têm, mesmo assim, seus vencimentos tão diferenciados de outros funcionários públicos que nunca deram nem vão dar nada ao País, pois dele só querem benesses, vantagens e lucros e o que é pior, porque ninguém faz nada a respeito e calam-se diante dessa imoralidade”.

O texto do ministro foi publicado em sites nacionalistas de direita como “A verdade sufocada” e “Terrorismo nunca mais”. Bacharel em Direito, Olympio Junior ingressou na carreira do Ministério Público Militar em 1976, tendo sido designado pelo então presidente, general Ernesto Geisel, para assumir a Procuradoria junto à Auditoria da Justiça Militar, em Juiz de Fora (MG). Desde 18 de novembro de 1994, é ministro do STM.

Qual é mesmo o papel da Justiça Militar no Brasil? Segundo o site do STM, é julgar “apenas e tão somente os crimes militares definidos em lei”. O texto de apresentação do órgão faz um elogio da “independência, altivez e serenidade do órgão”: “no período de regime militar de 1964 a 1984, levou juristas famosos na luta em defesa dos direitos humanos, como Heleno Fragoso, Sobral Pinto e Evaristo de Morais, a tecerem candentes elogios à independência, altivez e serenidade com que atuou o Superior Tribunal Militar na interpretação da Lei de Segurança Nacional e na aplicação dos vários Atos Institucionais”.

Há um caldo de cultura perigoso formando-se no ambiente político brasileiro.


3. Com ACM, morre o coronelismo?

Com a morte de Antonio Carlos Magalhães, que já foi chamado de tudo, de Toninho Malvadeza a Condestável da Nova República, desaparece um dos mais expressivos herdeiros do estilo coronelista de exercer o poder. > LEIA MAIS Política

4. O apronto do alcaide

[Mário Augusto Jakobskind] Como se sabe, o alcaide carioca é useiro e vezeiro em promover ações de marketing para aparecer. Escreveu até um livro onde afirmava que para disseminar boatos é necessário apenas colocar gente em vários botequins espalhados pela cidade. http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=640

5. Decifrando o mistério das vaias a Lula

[Mauro Carrara] No Rio desde quinta-feira, dia 12, procurei descobrir se e de que maneira foi arquitetado o plano de humilhação. Conversando muito aqui e ali, com jornalistas, políticos e gente do povo, levantei 14 informações que futuramente poderão ser úteis à reconstituiçãohistórica do episódio. http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=635

6. Brasil vive genocídio de jovens pobres e negros 12/07/2007 Desigualdade social se reflete no quadro calamitoso da segurança pública no país, mostra antropólogo – Leia em http://ich.unito.com.br/96509

7. Passeando pelo blog do Mino Carta, pincei algumas frases lapidares. Para quem não conhece o blog dele, aqui está o endereço: http://blogdomino.blig.ig.com.br/
As frases:


a) Sei apenas que ACM foi um modelo de oligarca, intérprete perfeito de nossa história medieval, ainda em pleno andamento.

b) Coisa de gênio: E que tal a autorização da prefeitura de São Paulo para a instalação de um posto de gasolina na cabeceira da pista do aeroporto de Congonhas? Bin Laden não conseguiria ter uma idéia mais brilhante.

c) Sobre Miriam Leitão e companhia ilimitada: Senhoras e senhores, pobre Brasil, entregue a estes interpretes da realidade.

d) Um ator cômico italiano, Ettore Petrolini, espécie de pai de Totó, Alberto Sordi, Nino Manfredi e outros geniais intérpretes da comedia da vida, fez certo dia o seguinte comentário sobre uma visita ao cemitério: “Leio as lápides, mãe extremada, marido exemplar, cidadão honrado, esposa devotada, e por aí afora. Mas onde será que enterram os vilões?” Nestes dias, ao ler os comentários sobre a morte de ACM, lembrei Petrolini.

e) “ACM era uma espécie de Maquiavel brasileiro”. Palavras do senador Arthur Virgilio. Permito-me aventar a hipótese de que o senador não sabe da vida e da obra de Maquiavel. O qual foi um grande do pensamento e das letras e um político honrado. Não me parece que tais qualidades coincidam com as características de Antonio Carlos Magalhães.

f) A pane elétrica que tirou do ar por três horas o centro de controle aéreo de Manaus, com conseqüências gravíssimas e mais um dia de crise, poderia ter sido obra de sabotagem. É o que leio nos jornais. “Cuidado, rapazes”, diria Cassandra, “o mundo avança, o golpe do Chile foi precedido pela greve dos caminhoneiros”. Não sou Cassandra e não temo um golpe. Mas que a nossa mídia gostaria que acontecesse, ah, como gostaria.

8. O Tempo, 25/07/2007 - Belo Horizonte MG

Não-reprovação e violência Professores consideram que Escola Plural contribui para aumentar agressão em instituições

CAROLINA COUTINHO
O sistema de não-reprovação dos alunos adotado pela rede municipal de ensino de Belo Horizonte por meio do programa Escola Plural pode contribuir para a violência dentro das escolas, na avaliação de alguns educadores entrevistados pela reportagem de O TEMPO.

Eles consideram que a falta de responsabilidade do estudante diante da busca pela aprovação provoca desinteresse pelas aulas e indisciplina, o que pode resultar em atos de rebeldia, principalmente agressões verbais e físicas contra professores e colegas. Uma pesquisa recente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) constatou essa relação. Dos quase 700 professores do ensino público entrevistados, 76% consideraram que a progressão continuada contribui para a violência nas escolas.

Em Minas, não existe pesquisa parecida. Mas para a vice-diretora da Escola Municipal Hugo Werneck, localizada na Vila São Jorge, na região Oeste da capital, Valdete Menezes Ribeiro, a realidade constatada em São Paulo também pode ser vista aqui.

"Algumas diretrizes da Escola Plural são válidas, mas outras, como a falta da reprovação, devem ser revistas. Os alunos sabem que não vão tomar bomba e fazem o que querem na escola. O pior de tudo é que muitos estudantes acabam a oitava série sem saber nada." A diretora da Escola Municipal Desembargador Loreto Ribeiro de Abreu, na região Nordeste, Roneide Dutra, considera que a desmotivação e o interesse por atividades fora da escola também podem resultar em violência. "Para esses alunos que não são reprovados, o estudo é o que menos importa. Dentro de sala, muitos são indisciplinados", afirmou a diretora, que gostaria de trabalhar com um sistema mais rígido. A coordenadora pedagógica do Programa Escola Aberta, da Secretaria Municipal de Educação, Karina Gusmão, não vê a relação direta entre a não reprovação e a violência escolar, na capital mineira. "Elementos de fora do contexto escolar são os principais motivadores dessa violência", afirma.

(Com agências) Educador critica a má estrutura de escolas -

Na avaliação do professor de política educacional Carlos Roberto Jamil Cury, do programa de pós-graduação em educação PUC Minas, a progressão continuada (a não-reprovação) é conseqüência da má estrutura das escolas, que não têm professores suficientes para se dedicarem integralmente aos estudantes. A diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de BH (Sind-Rede), Vanessa Portugal, considera que o crescimento da violência nas escolas é reflexo da sociedade moderna, que apresenta elevados índices de desemprego e desestruturação familiar, e também do modelo de aprovação automática e das desvalorizações do professor e da escola por parte dos governos e dos alunos. “Esse sistema de ensino em que o aluno não é reprovado, não vem acompanhado de condições de atendimento individual do estudante, que fica sem a orientação e atenção necessária e, conseqüentemente, pode apresentar comportamento indesejado”, disse. (CCo)



INTERNACIONAL

Do jornal Brasil de Fato:

1. As duas faces dos Estados Unidos e a manipulação das consciências (clique no titulo)

Miguel Urbano Rodrigues

A idéia de que os EUA são uma sociedade profundamente democrática continua, porém, a ser compartilhada por uma grande parte da humanidade

2. A reciclagem do Império (clique no titulo)

Maria Luisa Mendonça

A mais recente forma de "reciclagem" foi disseminada durante a visita de Bush à América Latina, quando os EUA assumem a defesa da produção de agroenergia

3. França apoiou genocídio em Ruanda (clique no título)

A cumplicidade da França, do então presidente François Miterrand, com os massacres em Ruanda, em 1994, foi provada por documentos secretos do governo, publicados pelo jornal francês Le Monde -> Um conflito artificial

4. Boaventura de Sousa Santos (Agência Carta Maior)

As grandes manobras

Nos próximos meses, em antecipação da Cúpula Europa-África, a África vai estar na mira de muitos interesses. A minha suspeita é que nenhum deles seja o interesse das populações africanas injustamente empobrecidas. - 19/07/2007

NOTICIAS

1. No Rio:
· MBA em Jornalismo Investigativo e Realidade Brasileira http://www.cpdoc.fgv.br/jornalismoinvestigativo%20

Início das aulas: 14 de agosto
Sob coordenação de Fernando Molica - profissional com anos de experiência de jornalismo atuando na TV Globo e na Folha de São Paulo - o curso pretende mostrar como o Jornalismo Investigativo participou das transformações da sociedade brasileira nas últimas décadas, além de estimular a reflexão sobre o ramo apontando diferentes caminhos para uma apuração jornalística consistente e inovadora. Mais informações: e-mail cursosmba@fgv.br e telefone 0800 285 5900.

2. Em São Paulo:
· MBA em Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão

http://www2.fgv.br/mgmsp/MGM-SP/DetCurso.aspx?codCurso=183

Início das aulas: 04 de agosto

· Cinema Documentário:

http://www2.fgv.br/mgmsp/MGM-SP/DetCurso.aspx?codCurso=184

Início das aulas: 27 de agosto

· História do Brasil Contemporâneo:

http://www2.fgv.br/mgmsp/MGM-SP/DetCurso.aspx?codCurso=182

Início das aulas: 04 de agosto Mais informações: e-mail cursosmba@fgvsp.br e telefone 0800 772 2778

3. Seleção para Mestrado/Doutorado

- As inscrições para as provas de seleção para o Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) estão abertas ate' 17/8/2007. Mais informações em www.ppcis.uerj.br ou pelo e-mail: ppcis.uerj@gmail.com

- As inscrições para o Processo Seletivo do Programa de pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Paraná (UFPR) estarão abertas entre os dias 30/7 e 29/8/2007. Mais informações em www.antropologiasocial.ufpr.br ou pelo e-mail ppgas@ufpr.br.

- As inscrições para o Processo Seletivo do Programa de pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina (UEL) estarão abertas entre os dias 19/9 e 11/10/2007. Mais informações poderão ser encontradas em www..uel.br/proppg/inscricoes.

4. Revistas/ Chamadas para artigos e lancamentos

- A Revista InterACOES - Cultura e Comunidade, da Faculdade Católica de Uberlândia, esta' recebendo artigos para o seu dossiê Cultura e Comunidade. As contribuições podem ser enviadas nas seguintes modalidades: artigos, estudos/ensaios teóricos, entrevistas, traduções autorizadas, revisão critica da literatura especializada na área; debates, comunicações, resenhas e notas sobre o campo de estudo. Mais informações pelo e-mail: interacoes@catolicaonline.com

- A Revista Confluências, publicação semestral do Programa de pós-graduação em Sociologia e Direito da UFF, esta' recebendo, em sistema de fluxo continuo, artigos cientifico para compor seus próximos números. Para os interessados em colaborar com o volume 2/2007 o prazo para envio de artigos e' ate' 30/9/2007). Mais informações em www.uff.br/ppgsd/publicacoes.html.

5. Governo vai contratar 337 professores para universidades

A autorização foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (24). Os aprovados no concurso deverão ser nomeados a partir de setembro
O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, autorizou a contratação, via concurso público, de 337 professores para o quadro de pessoal das instituições federais de ensino superior (Ifes). A informação foi divulgada nesta terça-feira (24) pelo governo federal. A autorização consta na portaria 222, publicada no Diário Oficial da União (DOU) dessa terça. De acordo com as normas estabelecidas pelo Ministério do Planejamento, a quantidade específica de professores para cada instituição será decidida pelo Ministério da Educação (MEC). Os aprovados no concurso deverão ser nomeados a partir de setembro. Mas o provimento dos cargos nas quantidades previstas irá depender da existência de vagas na data da nomeação. A responsabilidade pela realização do concurso será do dirigente de cada uma das instituições de ensino, a quem caberá baixar normas, publicar editais e portarias, entre outros procedimentos.


LIVROS E REVISTAS

1. Nas bancas a Revista Fórum deste mês. Um dos maiores intelectuais do país, geógrafo Aziz Ab´Sader dá entrevista exclusiva à Fórum. Ele critica o IPCC pelo relatório sobre aquecimento global e também questiona a presença de ONGs no ministério do Meio Ambiente.

2. - "Deserdados: dimensões das desigualdades sociais", organizado por Aline Xavier, Cíntia Ramos, Joana D'Arca Fernandes, Marielene Rosa, Myriam Sepúlveda, Paulo Roberto Tonani, Rogério Ferreira, Silvio de Almeida e Victor Hugo Alves, editora H.P Comunicações. Mais informações pelo e-mail: leddes@gmail.com.




3. - "Historia do marxismo no Brasil, volume 6 - Partidos e movimentos apos os anos 1960", organizado por Marcelo Ridenti e Daniel Aarão Reis Filho, editora Unicamp. Este livro aborda a trajetória das esquerdas marxistas brasileiras, dos anos 1960 aos dias atuais, com destaque também para movimentos sociais do período. Apresenta uma narrativa concisa da historia recente do PCB, do PCdoB, das esquerdas armadas, dos trotskismos e ainda do PT. Também são analisados o exílio, o feminismo, o sindicalismo e o cristianismo da libertação, sintonizados com o marxismo - que ate' hoje continua influindo partidos de esquerda, como atesta especialmente o capitulo final. Mais informações em http://www.editora.unicamp.br/.


4. Nas bancas o número 6 de Grandes Religiões, publicação da revista História Viva. Para os professores de ensino fundamental e médio, um achado!!! A revista traz tudo sobre Cultos Afros. A maioria dos artigos é escrita por Vagner Gonçalves da Silva, professor de Antropologia da USP. Vale a pena conferir!

5.



Nas bancas o número 46 da revista História Viva.
GUERNICA: A MORTE CAI DO CÉU A notícia da destruição da cidade basca inspirou Pablo Picasso a pintar o quadro que até hoje permanece como um símbolo dos horrores da guerra moderna
ARTIGOS
BIOGRAFIA HEMINGWAY, UM ROMANCE DO SÉCULO XX
ANTIGÜIDADE - ESTRADAS ROMANAS
POLÍTICA - INGLATERRA E ESCÓCIA, UM CASAMENTO DE INTERESSES
ARTE - ALBERTI E O NASCIMENTO DA PERSPECTIVA
IDADE MÉDIA - O AMOR QUE LEVAVA À FOGUEIRA

SITES

1. Veja e participe dos Cadernos de História, publicação dos alunos e professores do Departamento de História da UFOP:
http://www.ichs.ufop.br/cadernosdehistoria/

2. O projeto A formação do Estado Nacional e as Forças Armadas, desenvolvido na Universidade de Londrina, pode ser acessado no site http://www.uel.br/projetos/fmgb/
Lá se encontram documentos, publicações e o desenvolvimento do projeto.

3. Vale a pena uma visita ao site do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica da Universidade de Londrina, para conhecer os projetos ali desenvolvidos. Permite-se o acesso a documentos do acervo.
http://www.uel.br/cch/cdph/


INFORME ANPUH 010/2007.

1. EVENTOS

I Colóquio de História da UFRPE: Brasil e Portugal - Nossa História Ontem e Hoje”, a realizar-se nos dias 03 a 05 de outubro de 2007 na Universidade Federal Rural de Pernambuco – Recife/PE. A jornada acadêmica do evento pretende abordar fatos do período colonial, imperial, republicano e nossas relações atuais com o Brasil e Portugal. Para isso deverá contar com a presença de especialistas nacionais e internacionais.maiores informações: http://www.brasilportugal.org/

2. CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS

Estão abertas as inscrições para participação dos pesquisadores, professores e estudantes interessados no VI Encontro de História Oral do Centro-Oeste – memória, sensibilidade e práticas culturais, que acontecerá entre os dias 01 e 05 de outubro de 2007, na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), em cáceres, mato grosso. Maiores informações através vienhistoral_centro_oeste@yahoo.com.br, http://www.unemat.br/historiaoral

A Revista História, publicação dos programas de Pós-Graduação de História da Universidade Estadual Paulista - UNESP (campi assis e franca), convida os interessados em enviar artigos para o Volume 26, Número 2 de 2007 que terá como dossiê história e cultura visual. Maiores informações podem ser obtidas na página da revista: http://www.unesp.br/prope/revcientifica/historia/historico.php

A Revista Almanack Braziliense (http://www.almanack.usp.br/), periódico que nasceu do projeto temático “formação do estado e da nação: Brasil, 1780-1850”(FAPESP) sediado no instituto de estudos Brazileiros da USP, está recebendo artigos e informes de pesquisa até o dia 30 de julho para serem publicados em seu próximo número. Maiores informações pelo e-mail revea@usp.br

3. CONCURSOS

Seleção de Professor História – UFC o edital da seleção está no site http://www.ufc.br/ – no link "concursos e editais".

4. LANÇAMENTO DE LIVRO

Soares, Luiz Carlos. A Albion Revisitada: ciência, religião, ilustração e comercialização do lazer na Inglaterra do século XVII (Rio de Janeiro, Editora 7 letras - FAPERJ, 2007). Maiores informações luizcsoares@globo.com

Visite nosso Site : http://www.anpuh.org/



E pra ninguem dizer que eu esqueci (como a imprensa, aliás, esqueceu completamente...por que será???)



Aguardem: no próximo Boletim, muitos artigos especialmente para nosso número 100!!!







0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial