Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

27.6.07

Número 096



EDITORIAL

Meses atrás abordamos aqui a questão da violência gratuita e sem sentido que assola o mundo e, claro, também o Brasil. Na ocasião, falava-se, em toda a imprensa, do garoto que foi arrastado por um carro.
Neste fim de semana, de novo no Rio de Janeiro, uma atitude de 5 jovens (inclusive um universitário de Direito!!!) faz voltar as reflexões sobre a barbárie. Uma doméstica, parada num ponto de ônibus, vê parar perto de si um automóvel do qual descem 5 filhinhos de papai, que caminham em direção a ela, a agridem com socos e pontapés, roubam sua bolsa com documentos, celular e 47,00 (isso mesmo, 47 reais...) E o pai aparece na televisão dizendo que a prisão do filho foi injusta....
O que pensar disso tudo? Na mesma cidade em que todos acham que todos os favelados são bandidos, traficantes....quem suspeitaria que 5 jovens universitários olhassem para uma cidadã, pensassem que era uma “vagabunda” (palavras deles) e, sem mais nem menos, partissem para a agressão... já vimos este filme antes, com outras personagens, que estão aí, impunes, inclusive na capital federal...
Como se não bastasse isso, as manchetes do inicio da semana não foram nada animadoras. Vejamos:
1. Confronto entre PM e criminosos afetou tráfego aéreo no Rio de Janeiro
2. Filho é suspeito de envolvimento na morte do próprio pai em Uberaba
3.
Descoberto plano para matar deputado federal de MG – ressalte-se que o provável mandante é outro deputado, líder da Igreja do Evangelho Quadrangular.
4. Duas bases da Polícia Militar (PM) situadas na Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro, foram atacadas na manhã de hoje.
5.
Major da FAB morre após ser baleada por PMs no Rio
6. A violência contra o professor já faz parte da rotina das escolas públicas
7. O custo da violência no Brasil é estimado em 5,09% do Produto Interno Bruto (PIB) por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da Escola Nacional de Ciência Estatística (Ence).
8. Três homens acusados de atirar contra bases da Polícia Militar (PM) na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, morreram em confronto com a polícia, segundo a assessoria corporação.
9. Os índices de violência no País assustam a população brasileira, mostrou pesquisa CNT-Sensus, divulgada nesta terça-feira. Dos entrevistados, 76,1% disseram que a violência e a criminalidade estão fora de controle no Brasil, enquanto apenas 3,7% disseram que estão bastante controladas. Outros 18,7% disseram que estão razoavelmente controladas e outros 1,6% não responderam.
10. O professor universitário Sebastião Alves de Almeida foi preso em flagrante na madrugada desta terça-feira acusado de matar o vizinho depois de uma briga por causa de um saco de lixo. O acusado assumiu o crime no depoimento na Delegacia de Homicídio. O crime ocorreu no Setor Sudoeste, um setor de classe média em Goiânia.
É.... ta danado!!!!


FALAM AMIGOS E AMIGAS

Tiago de Castro Menta me encaminha email recebido por ele do filósofo e professor Paulo Ghiraldelli Jr. a respeito do que fizeram os estudantes da USP nos 50 dias em que durou a ocupação da Reitoria.
Como eu publiquei aqui, no início do movimento, alguns comentários a favor da ocupação, me senti na obrigação de publicar agora a crítica ao que os estudantes fizeram. A ela se segue uma noticia de jornal, dando conta da destruição feita na USP.

Mais notícias e comentários podem ser lidos aqui:

http://ultimainstancia.uol.com.br/colunas/ler_noticia.php?idNoticia=39229

Estudante da USP é vândalo e a Reitora é Covarde. É isso que estão nos dizendo?

Meu amigo: veja para onde vai o seu dinheiro (veja a notícia abaixo do meu texto). Não é só corrupção de milhões, feita por políticos, que leva o seu dinheiro. Veja os "oposicionistas de amanhã". Os "meninos da esquerda". Como estão em bom caminho. Eles quebraram tudo na USP e a reitora não vai puni-los!

Quero saber agora, dos professores da USP que apoiaram isso, se eles vão ter a coragem de defender essa pouca vergonha, mesmo sabendo das depredações. Como que um estudante de uma universidade de elite pode quebrar um computador que é um patrimônio público e levá-lo para o banheiro? Furar o teto? Como pode quebrar janelas e sujar o ambiente como se aquilo fosse um chiqueiro? Vamos, tentem me convencer que esse tipo de gente é de fato gente. Amanhã você vai ver um esquerdete desses no Palácio do Planalto, no governo ou, pior, na oposição. Sim, o pior porco é porco que fica na oposição como porco. No governo, a gente já sabe que, ao menos, podemos criticar. O duro é ver a oposição corrompida.

Esses são os meninos que não querem a "Universidade burguesa". Pelo que vi, a universidade não-burguesa não poderá ter computador e nem correspondência, eles roubam e quebram! Acho que vai ser pobre e ruim essa outra universidade que eles querem. Nem parede pode ter, nem carteira! Lâmpada? Nenhuma! Vazo sanitário? Também não? Fechadura? Nunca? E para quê fechaduras se eles quebram portas?

E a reitora da USP que prometeu não punir ninguém? O que essa mulher quer? Que tipo de mulher é essa? De onde surgiu isso, onde nasceu uma figura assim? Será que ela tem medo? Sim, tem, pois os professores que estão na reitoria tem filhos que são alunos (e até professores!). Ou são participantes disso ou são pressionados pelos participantes. Ora, ora, a universidade não deveria ser pública? Mas não é, ela tem donos: grupelhos de grevistas, professores que apoiaram isso e, enfim, a própria reitoria. Que palhaçada! São quadrilhas, isso é pior que o PCC. São pessoas desqualificadas. Nunca poderiam estar em uma universidade como a USP. Representam a escória da nossa sociedade. Fico triste de ver bons alunos da USP, realmente pobres, que querem estudar, sendo "representados" por essa corja de bandidos.

E o governador? O que fez? Nada, apenas deixou tudo acontecer, afinal, tudo que é público no Brasil não tem dono.

Fiz meu doutorado na USP. Quanto orgulho. E agora, posso engolir esse vandalismo de alunos, professores e reitora? Estou profundamente triste, triste mesmo. E mais triste ainda de não ver uma autoridade sequer vir dizer algo contra tudo isso.

A Olgária Matos, filósofa que admiro, defendeu esse pessoal, no começo da greve,dizendo que eles estavam fazendo "democracia direta". Eu contestei. E agora, Olgária, você vai me dizer que eles ainda estavam fazendo "democracia direta"? Eles estavam fazendo era isso: sacanagem direta contra o patrimônio que é nosso. Você, que amava a USP como eu, pode ainda defender essa gente? PSTU, PSOL e essa canalhada toda que usa Chê Guevara na lapela e Marx no sovaco é incapaz de ler um livro. Nunca leram um livro inteiro. Leram do mesmo modo que o Marcola diz que leu. Essa gente não lê, essa gente é má e estúpida por natureza. Alguns, inclusive, são ricos e sabem que são impunes, como os que atacaram uma mulher, esses dias, no ponto de ônibus, e levados para a delegacia alegaram: "ora, a gente não sabia que era empregada doméstica, a gente acho que era prostituta". Sim: é esse tipo de riquinho que, não raro, domina as assembléias da USP. Quando não é o caso, é o pobre revoltado, magoado, aquele cara que acha que gosta do socialismo pois, no fundo, ele apenas quer roubar, pelo Estado, a casa do vizinho que prosperou mais que o pai dele.

Fernando Haddad é ministro da Educação e meu amigo. Ele é professor lá da FLCH. O centro do vandalismo. Se eu fosse ele eu romperia o silêncio, ia para a TV, e dizia: isso não pode mais acontecer e essas pessoas que destruíram o patrimônio público tem de ser punidas. É o mínimo!

Paulo Ghiraldelli Jr.
O filósofo da cidade de São Paulo

____________________________________

JC e-mail 3291, de 25 de Junho de 2007.
25. Após invasão, USP discute hoje reforma de prédio da reitoria

Reitora se comprometeu a não punir os estudantes administrativamente, mas processos por depredação e furto podem ser instaurados
Daniel Bergamasco escreve para a “Folha de SP”:
A reitoria da USP (Universidade de São Paulo) deve começar a discutir hoje a reforma de sua sede, invadida durante 50 dias por alunos da instituição.
Paredes rabiscadas e sujas serão pintadas, vidros quebrados serão repostos e todas as fechaduras do complexo da reitoria -andar térreo mais dois blocos de seis andares cada um- serão trocadas, por medidas de segurança, de acordo com a Guarda Universitária.
"Teremos que trocar todas as fechaduras do prédio (...). Os estudantes entraram na sala de manutenção, onde ficavam as cópias das chaves", diz Márcio Henrique, coordenador da Guarda Universitária.
Peritos do Instituto de Criminalística vasculharam o local durante o último final de semana para conferir os danos da invasão. Ainda não se sabe o valor do prejuízo.
Dúvidas
Entre móveis revirados, buraco no teto e portão retorcido, restam várias dúvidas: onde foram parar as correspondências e os processos da sala de expediente do gabinete da reitora Suely Vilela? Onde estão as dezenas de computadores que faltam nas mesas? O que provocou o incêndio que deixou manchas pretas na caixa de energia do prédio?
Funcionários da reitoria foram convocados para vistoriar o local ontem e ajudar a encontrar as respostas.
A invasão terminou na sexta-feira, depois que a reitora se comprometeu a não punir administrativamente os estudantes pela invasão. Processos por furtos e depredações, no entanto, poderão ser instaurados.
No local, há também câmeras de segurança quebradas (as intocadas foram cobertas com papel), computadores danificados (um deles foi encontrado em um chão de banheiro) e manchas em parte da mobília.
Dos computadores que sumiram, grande parte foi encontrada na sala do cerimonial.
"Os estudantes colocaram os computadores lá para evitar problemas [de depredações ou furtos]", diz Natália Guerreiro, que integrou a comissão de comunicação do movimento.
As informações mais importantes podem ter sido preservadas: o setor de informática do prédio orientava os funcionários a salvá-las em arquivos do servidor, instalado em uma sala que não foi invadida.
Gabinete da reitora
No sábado, quando começou a perícia, a Guarda Universitária informava que os manifestantes não haviam conseguido entrar no gabinete da reitoria, que tem porta blindada.
Ontem, funcionários que visitaram o prédio viram que uma janela do local foi arrombada. Não há sinais aparentes de vandalismo no local.
A reitora Suely Vilela deverá voltar a trabalhar em seu gabinete. No período da ocupação, ela despachou em outro prédio da universidade. Os demais funcionários também estão convocados.
O andar térreo do prédio foi aberto para visita da imprensa durante cerca de uma hora na noite de sábado, depois da perícia da polícia científica.
O ambiente mais bagunçado era a vice-reitoria, com muitos móveis revirados. Uma máquina fotocopiadora foi encontrada em uma laje.
Entre as reivindicações aceitas pela reitoria, estão a criação de vagas de moradia. Haverá também reuniões para discutir a reforma dos prédios da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) e da Fofito (Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional) da Faculdade de Medicina.(Folha de SP, 25/6)


FALANDO DE HISTORIA

1. Egito afirma ter identificado a múmia da rainha Hatchepsut.


BRASIL

1. Controladores fazem a crise. Equipamentos não.

Leia em
http://conversa-afiada.ig.com.br/materias/439501-440000/439633/439633_1.html

3. Na semana em que o site Nominimo encerra suas atividades (o que é lamentável, diga-se de passagem...) Villas Boas Corrêa deixa um texto que vale a pena ser reproduzido, para variar, sobre os escândalos que afetam o Congresso:

Receita da vovó para a crise da vergonha 27.06.2007


A jornalista Mônica Veloso comunicou aos interessados, em entrevista, que está em ponto de bala para estudar proposta para posar nua em pêlo para revista especializadas no gênero.Certamente que ninguém tem nada com o uso que cada um faça do seu corpo. E fotos em poses sensuais de artistas, vedetes, esportistas ou jovens de plástica exuberante são remuneradas com fortunas de fazer inveja a quem viva de salário da classe média, empurrada pela política econômica do maior governo do mundo para as fronteiras da pobreza.
Mas, a candidata a ficar pelada no estúdio para ganhar o que não fatura em um ano catando notícias é a estrela do escândalo que rola a mais tempo do que a crise da vergonha do Congresso. E sem solução à vista.
Na nossa vexada indignação, soa como a nota exata para a afinação do episódio galante no seu exato nível de exibição chinfrim por elenco mambembe. Insinua manobra urdida com a dose maciça de esperteza de quem conhece as fragilidades do alvo. Salta aos olhos mais desatentos que a última coisa que o galã da novela imprópria para menores - senador, presidente do Senado que preside o Congresso, quarto na linha sucessória da presidência - desejaria ver é a mãe da sua filha de três anos, a única verdadeira vítima do enredo sujo, posando nua, em acrobacias sensuais, nas páginas de revista que não costuma ficar exposta em casas de família.
O senador Renan Calheiros não conseguiu fechar as muitas explicações sobre a origem dos recursos com que pagou a pensão para a filha da sua relação extraconjugal com a jornalista Mônica Veloso. E, pelo visto, não fechou as contas da dívida. Nem com a mãe da sua filha ou com a sociedade e com os eleitores alagoanos que o vêm distinguindo com sucessivos mandatos.
O risco à vista chega ao noticiário precisamente quando outro escândalo graúdo ocupa largo espaço no noticiário do Legislativo, sem ter nada mais o que fazer.
A estatura do acusado pela nova tramóia não se compara à do presidente do Senado. Mas, o senador Joaquim Roriz, girassol do ramalhete do PMDB, pode orgulhar-se de uma ficha política tão opulenta como o seu prontuário: quatro vezes governador do Distrito Federal e envolvido em mais de 60 processos no Tribunal de Justiça do DF, em 28 deles como réu. Destaque para o que rola no Supremo Tribunal Federal (STF), sob segredo de Justiça, encaminhado pelo Ministério Público Federal, por improbidade administrativa, jargão forense para a vulgar roubalheira.
O espertíssimo dono dos votos brasilienses, com habilidade mágica para escapar de processos, caiu como um canário tonto no alçapão da Operação Aquarela do Ministério Público e da Polícia Federal e Civil de Brasília, que gravou a sua conversa com o ex-presidente do Banco Regional de Brasília, Tarcísio Franklim de Moura, em 13 de março deste ano, em que negociava o rateio do resgate do cheque de R$ 2,2 milhões, emitido por Nenê Constantino, dono da Gol, e descontado no BRB.
Na tentativa de justificar a história escabrosa, o senador Roriz produziu um enredo de causar inveja ao celebre barão das potocas. Alega que pediu o dinheiro emprestado para pagar, no dia seguinte, R$ 271,3 mil por uma bezerra de raça Nelore, arrematada em leilão por R$ 531 mil, mas que paga até aquela data, teria o desconto fantástico de 49%, R$ 260,6 mil.
O PSOL não acreditou na delirante fantasia do senador peemedebista e deve entrar com uma representação no Conselho de Ética do Senado por quebra do decoro parlamentar.
Como tampão para a vasta pauta de vergonhas que se acumulam nos cantos do Congresso, como o lixo das mordomias e privilégios, até aqui, com as exceções de praxe, a diligência da maioria oferece a reforma política, nas doses homeopáticas do financiamento público de campanha e do voto em lista fechadas.
É como tratar doente desenganado com emplastro doméstico de linhaça da receita da vovó.


INTERNACIONAL

1. Boaventura de Sousa Santos
A partilha de África (I) (Agência Carta Maior)
Triste fim da Rodada de Doha (Agência Carta Maior)
Após a era Fidel, que está se esgotando, que fazer? Manter o controle político nas mãos do PC e partir para reformas econômicas capitalistas, como na China? Ou ousar o novo, apoiando-se nos ricos processos de mobilização social da América Latina?

NOTICIAS

1. de 29.06.2007 a 05.07.2007
V Semana de História e II Colóquio Nacional de História e Historiografia no Vale do Iguaçu
Mais informações podem ser obtidas no site: http://www.fafiuv.br/eventohist.php
FAFIUV - União da Vitória/PR

2. 07.07.2007 - 9 horas
Religiões Afro-Brasileiras: resistências e relações político-sociais no Rio Grande do Sul
O projeto Seminários Debates procura desenvolver, através de encontros mensais, um maior entendimento sobre os temas referentes à História Afro-brasileira e Afro-gaúcha. Apresenta ao público interessado as relações existentes entre as pesquisas e as vivências da cultura afro na história e na realidade.
Público: professores, educadores, acadêmicos e interessados.
Inscrições no Memorial do Rio Grande do Sul
Informações: (51) 3286-6190 ou (51) 9222-5159.
Memorial do Rio Grande do Sul
Rua Sete de Setembro, 1020 – Praça da Alfândega
Porto Alegre/RS

3. de 09.07.2007 a 10.07.2007
I Colóquio Brasileiro de Economia Política dos Sistemas-Mundo
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)Florianópolis - SC
4. Convite



LIVROS E REVISTAS

1.



Nas bancas o número especial temático 17 da História Viva.
Traz uma série de artigos tendo como tema Sete mil anos de vinho.

2.
Nas bancas a edição 45 da revista História Viva
A GUERRA NA IDADE MÉDIA
Em um mundo onde matanças eram perpetradas em nome de Deus, a nobreza dos cavaleiros convivia com a astúcia dos mercenários e até com a guerra biológica
- Deus, eterno álibi
- Cavaleiros, questão de honra
- Mercenários - guerreiros e saqueadores
- Galeria de armas medievais
- Castelos, a vida cercada por muralhas
- Christine de Pisan, professora de guerra moderna
ARTIGOS
BIOGRAFIA: Princesa Isabel, educada para governar o Brasil;
ANTIGÜIDADE: Fonte de poder no Oráculo de Delfos.
AMÉRICA: Tudo começou na Filadélfia
SEGUNDA GUERRA: Vida, morte e ressuereição do corsário Atlantisa
ARTIGO BRASIL: A Hora da desforra ( 1835 a Cabanagem)

3. Nas bancas o número 17 da Carta na Escola. Revista especial da Carta Capital. Tem vários assuntos direcionados aos professores e alunos, especialmente Gritos sem sussurros, sobre a impunidade reservada aos torturadores do período militar; Oriente em Chamas: entenda os conflitos que marcam o Oriente Médio; A origem das espécies: a teoria da evolução ainda causa polêmica; Cultura Oral: as narrativas populares na Literatura.

4. Para os professores que necessitam de material para trabalhar a História da África e a Cultura Afro-Brasileira, recomendo uma visita ao site da editora Mazza, que está com várias publicações, de alta qualidade, para atender a essa demanda:
http://www.mazzaedicoes.com.br/

5. Conceição Oliveira, uma das autoras da coleção História em Projetos, aprovada para o PNLD, está empenhada em divulgar sua obra, já que a própria editora não o faz a contento.
Clique em cada linha para abrir.

História em Projetos é uma COLEÇÃO DE HISTÓRIA DE EXCELÊNCIA
História em Projetos tem um Blog para que os/as professores/as interajam diretamente: http://historiaemprojetos.blogspot.com/-
Conheça algumas páginas da coleção História em Projetos – arraste as páginas para cima ou para baixo, com o ponteiro do "mouse" em forma de "mão" -
Outras informações com as autoras Conceição Oliveira e Carla Miucci - historiaemprojetos@gmail.com

SITES

Interessante infografico sobre a Pirâmide de Queops, pode ser vista em
http://igeducacao.ig.com.br/externo.html?url=http://historia.abril.ig.com.br/2006/infohistoria/historia_231370.shtml
muito bom para mostrar aos alunos!!!

INFORME ANPUH

1. XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA
(a) Novas vagas em alojamentos na UNISINOS
Face à grande procura por alojamentos, a Comissão Organizadora obteve junto à universidade, a partir da próxima quarta-feira, a liberação de novas vagas em salas de aula junto ao Complexo Desportivo da UNISINOS. Serão fornecidos colchões (no chão) e disponibilizada a estrutura de banheiros/duchas do Complexo Desportivo. O valor destes alojamento é de R$ 8,00 por pessoa/dia. Uma lanchonete/restaurante, localizada junto a estas salas, ficará aberta 24h por dia para garantir algum conforto e serviços àqueles ali hospedados. É importante lembrar que no mês de julho faz muito frio no Rio Grande do Sul. Logo, é imprescindível que as pessoas que forem ficar alojadas na universidade tragam, além de roupa de cama, no mínimo dois cobertores. Como no caso de outros alojamentos em São Leopoldo, a gestão das inscrições a estas novas vagas foi repassada à agência oficial do evento. Esta medida permite que a Comissão Organizadora concentre seus esforços nas tarefas de organização dos aspectos acadêmico-científicos do evento. Informações no site http://www.arquipelagoviagens.com.br/
(b) CD com textos do XXIV Simpósio Nacional de História
Informamos aos participantes do XXIV Simpósio Nacional de História que o CD contendo 1.358 textos do evento já está em processo de produção. A Comissão informa que uma equipe de historiadores passou semanas ajustando os textos à formatação solicitada, uma vez que apenas um em cada quatro textos enviados para inclusão no CD estava em conformidade às regras para publicação. Contudo, alertamos aos apresentadores que a regra que estabelecia o número máximo de 20.000 caracteres por texto e 1M para arquivos com imagens foi aplicada plenamente - com uma margem de tolerância de 5.000 caracteres. Em virtude da observância destas regras, alguns textos não foram incorporados ao CD. Os autores destes textos serão informados nos próximos dias. Pedimos a compreensão de todos e lamentamos os prejuízos que esta decisão possa causar, mas foi entendimento da Comissão Organizadora que a aplicação geral da regra preservava o interesse coletivo dos associados e constituía a decisão mais justa neste caso. Com efeito, houve um esforço muito grande da maioria dos apresentadores em limitar seus textos ao máximo permitido, o que contrastou com o envio, por alguns colegas, de textos que apresentavam com ferqüência o dobro ou o triplo do número máximo indicado de caracteres.
2. EVENTOS
(a) Colóquios Patrimoniais, o Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville, convida para a VII Edição dos Colóquios Patrimoniais, dias 18, 21/06. Maiores informações Sambaqui@joinvillecultural.sc.gov.br.

(b) As inscrições para o "Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade", que será realizado entre os dias 01 e 03 de agosto em Mariana, foram prorrogadas até 28 de junho. Maiores informações www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria , seminario_ichs@yahoo.com.br

(c) "IX ciclo de estudos antigos e medievais : formas de pensar na antigüidade e na idade média" ,28 a 31 de agosto de 2007 realização: unesp assis/franca – departamento de história / programa de pós-graduação em história – UNESP/FRANCA. Para mais informações: http://www.franca.unesp.br/ceam/index.html.
(d) V semana de História e II Colóquio Nacional de História e Historiografia no Vale do Iguaçu. O evento ocorrerá no dia 29/06 e entre 02 e 05 de julho na cidade de União da Vitória - PR, na FAFIUV. Mai informações podem ser obtidas no site http://www.fafiuv.br/eventohist.php
3. CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS
(a) Revista de História, uma publicação do Departamento de História e da Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto dedica seu 17° número ao tema Gênero, e convida a todos para a publicação de textos. Os artigos serão recebidos até 31/08/2007. Este número não será dedicado somente ao tema Gênero, recebendo, portanto, outras temáticas. Os interessados devem mandar um email para lph@ichs.ufop.br

(b) A revista eletrônica Cadernos de História: publicação do corpo discente do Departamento de História da UFOP recebe trabalhos para seu número 2 - ano II - até 31 de julho de 2007. Maiores informações: www.ichs.ufop.br/cadernosdehistoria, ou cadernosdehistoria@yahoo.com.br

(c) A Revista Opsis comunica que está recebendo artigos para publicação no vol. 07, n.02/2007, cujo dossiê terá o seguinte título: "Repensando o fazer histórico". Os interessados devem consultar as normas e enviar seus textos até 30 de agosto de 2007 para o e-mail: niesc@yahoo.com.br. As informações necessárias estão disponíveis em http://www.catalao.ufg.br/historia/revistaopsis/index.htm
4.LANÇAMENTO DE LIVRO
Editora Contexto, está lançando o livro de Leandro Karnal, "História dos Estados Unidos". Maiores informações em http://editoracontexto.com.br/livro.php?livro_id=370
Visite nosso Site : http://www.anpuh.org/

























1 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial