Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

29.8.06

Número 055




Agosto: mês dos ipês florescerem... este estava na Praça do Papa, em BH. Foto RMF


EDITORIAL

Estou enviando o boletim um dia adiantado, porque farei uma viagem amanhã. Semana que vem ele será publicado na quarta feira, como habitualmente.

Os temas de hoje são variados, destacando-se duas contribuições de leitores: Ana Horta enviou a relação dos candidatos nas próximas eleições que estão com a “ficha suja”. Breno Sampaio encaminhou o link para uma outra lista, de todos os políticos brasileiros, com informações as mais variadas possíveis. Tiago Menta participa do debate sobre o voto nulo. Vejam logo abaixo essas contribuições.

Queria também chamar sua atenção para o blog da minha amiga Cristina Castro. Nesta semana ela postou algumas matérias que interessam principalmente aos leitores de Minas Gerais, pois dizem respeito à atuação do governador mineiro. Não deixe de ler: O que Aécio está escondendo de nós
- www.tamoscomraiva.blogger.com.br


FALAM AMIGOS E AMIGAS

1. Caro Ricardo
Parabéns pelo boletim e obrigada pela divulgação.
Teremos muito prazer em contar com a sua presença nos encontros Diálogos com o Labepeh.
Um abraço
Lana Mara Siman

2. Ana Horta me envia email com a relação de deputados que se candidatam novamente, tentando garantir a imunidade para não serem processados. Retirei os nomes daqueles que já foram cassados e que, portanto, não poderão disputar eleições tão cedo...
Tem para todos os gostos....









ESTES SÃO OS DEPUTADOS MARAVILHOSOS DO NOSSO PAIS
CUIDADO PARA NÃO VOTAR NELES

ID NOME CARGO PARTIDO ACUSAÇÃO OU CRIME A QUE RESPONDE

1 ABELARDO LUPION Deputado PFL-PR Sonegação Fiscal
2 ADEMIR PRATES Deputado PDT-MG Falsidade Ideológica
3 AELTON FREITAS Senador PL-MG Crime de Responsabilidade e Estelionato
4 AIRTON ROVEDA Deputado PPS-PR Peculato
5 ALBÉRICO FILHO Deputado PMDB-MA Apropriação Indébita
6 ALCESTE ALMEIDA Deputado PTB-RR Peculato e Formação de Quadrilha,Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
7 ALEX CANZIANI Deputado PTB-PR Peculato
8 ALMEIDA DE JESUS Deputado PL-CE Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
9 ALMIR MOURA Deputado PFL-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
10 AMAURI GASQUES Deputado PL-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
11 ANDRÉ ZACHAROW Deputado PMDB-PR Improbidade Administrativa
12 ANÍBAL GOMES Deputado PMDB-CE Improbidade Administrativa
13 ANTERO PAES DE BARROS Senador PSDB-MT Improbidade Administrativa e Formação de Quadrilha
14 ANTÔNIO CARLOS PANNUNZIO Deputado PSDB-SP Crime de Responsabilidade
15 ANTÔNIO JOAQUIM Deputado PSDB-MA Improbidade Administrativa
16 BENEDITO DE LIRA Deputado PP-AL Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
17 BENEDITO DIAS Deputado PP-AP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
18 BENJAMIN MARANHÃO Deputado PMDB-PB Crime Eleitoral
19 BISPO WANDERVAL Deputado PL-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
20 CABO JÚLIO (JÚLIO CÉSAR GOMES DOS SANTOS) Deputado PMDB-MG CrimeMilitar, Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
21 CARLOS ALBERTO LERÉIA Deputado PSDB-GO Lesão Corporal
22 CELSO RUSSOMANNO Deputado PP-SP Crime Eleitoral, Peculato e Agressão
23 CHICO DA PRINCESA (FRANCISCO OCTÁVIO BECKERT) Deputado PL-PR CrimeEleitoral
24 CIRO NOGUEIRA Deputado PP-PI Crime Contra a Ordem Tributária ePrevaricação
25 CLEONÂNCIO FONSECA Deputado PP-SE Sanguessugas (Escândalo dasAmbulâncias)
26 CLÓVIS FECURY Deputado PFL-MA Crime Contra a Ordem Tributária
27 CORIALANO SALES Deputado PFL-BA Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
28 DARCÍSIO PERONDI Deputado PMDB-RS Improbidade Administrativa
29 DAVI ALCOLUMBRE Deputado PFL-AP Corrupção Ativa
30 DILCEU SPERAFICO Deputado PP-PR Apropriação Indébita
31 DOUTOR HELENO Deputado PSC-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
32 EDSON ANDRINO Deputado PMDB-SC Crime de Responsabilidade
33 EDUARDO AZEREDO Senador PSDB-MG Improbidade Administrativa
34 EDUARDO GOMES Deputado PSDB-TO Crime Eleitoral, Sanguessugas(Escândalo das Ambulâncias)
35 EDUARDO SEABRA Deputado PTB-AP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
36 ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO Deputado PRONA-SP Falsidade Ideológica
37 EDIR DE OLIVEIRA Deputado PTB-RS Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
38 EDNA MACEDO Deputado PTB-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
39 ELAINE COSTA Deputada PTB-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
40 ELISEU PADILHA Deputado PMDB-RS Corrupção Passiva
41 ENIVALDO RIBEIRO Deputado PP-PB Crime Contra a Ordem Tributária,Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
42 ÉRICO RIBEIRO Deputado PP-RS Crime Contra a Ordem Tributária eApropriação Indébita
43 FERNANDO ESTIMA Deputado PPS-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
44 FERNANDO GONÇALVES Deputado PTB-RJ Sanguessugas (Escândalo dasAmbulâncias)
45 GARIBALDI ALVES Senador PMDB-RN Crime Eleitoral
46 GIACOBO (FERNANDO LUCIO GIACOBO) Deputado PL-PR Crime Contra aOrdem Tributária e Seqüestro
47 GONZAGA PATRIOTA Deputado PSDB-PE Apropriação Indébita
48 GUILHERME MENEZES Deputado PT-BA Improbidade Administrativa
49 INALDO LEITÃO Deputado PL-PB Crime Contra o Patrimônio, DeclaraçãoFalsa de Imposto de Renda
50 INOCÊNCIO DE OLIVEIRA Deputado PMDB-PE Crime de Escravidão
51 IRAPUAN TEIXEIRA Deputado PP-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
52 IRIS SIMÕES Deputado PTB-PR Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
53 ITAMAR SERPA Deputado PSDB-RJ Crime Contra o Consumidor,Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
54 ISAÍAS SILVESTRE Deputado PSB-MG Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
55 JACKSON BARRETO Deputado PTB-SE Peculato e Improbidade Administrativa
56 JADER BARBALHO Deputado PMDB-PA Improbidade Administrativa,Peculato, Crime Contra o Sistema Financeiro e Lavagem de Dinheiro
57 JAIME MARTINS Deputado PL-MG Crime Eleitoral
58 JEFERSON CAMPOS Deputado PTB-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
59 JOÃO BATISTA Deputado PP-SP Falsidade Ideológica, Sanguessugas(Escândalo das Ambulâncias)
60 JOÃO CALDAS Deputado PL-AL Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
61 JOÃO CORREIA Deputado PMDB-AC Declaração Falsa de Imposto de Renda,Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
62 JOÃO HERRMANN NETO Deputado PDT-SP Apropriação Indébita
63 JOÃO MAGNO Deputado PT-MG Lavagem de Dinheiro
64 JOÃO MENDES DE JESUS Deputado PSB-RJ Sanguessugas (Escândalo dasAmbulâncias)
65 JOÃO PAULO CUNHA Deputado PT-SP Corrupção Passiva, Lavagem deDinheiro e Peculato
66 JOÃO RIBEIRO Senador PL-TO Peculato e Crime de Escravidão
67 JORGE PINHEIRO Deputado PL-DF Crime Ambiental
68 JOSÉ DIVINO Deputado PRB-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
69 JOSÉ JANENE Deputado PP-PR Estelionato, Improbidade Administrativa,Lavagem de Dinheiro, Corrupção Passiva, Formação de Quadrilha,Apropriação Indébita e Crime Eleitoral
70 JOSÉ LINHARES Deputado PP-CE Improbidade Administrativa
71 JOSÉ MENTOR Deputado PT-SP Corrupção Passiva
72 JOSÉ MILITÃO Deputado PTB-MG Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
73 JOSÉ PRIANTE Deputado PMDB-PA Crime Contra o Sistema Financeiro
74 JOVAIR ARANTES Deputado PTB-GO Improbidade Administrativa
75 JOVINO CÂNDIDO Deputado PV-SP Improbidade Administrativa
76 JÚLIO CÉSAR Deputado PFL-PI Peculato, Formação de Quadrilha,Lavagem de Dinheiro e Falsidade Ideológica
77 JÚLIO LOPES Deputado PP-RJ Falsidade Ideológica
78 JÚNIOR BETÃO Deputado PL-AC Declaração Falsa de Imposto de Renda,Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
79 JUVÊNCIO DA FONSECA Deputado PSDB-MS Improbidade Administrativa
80 LAURA CARNEIRO Deputada PFL-RJ Improbidade Administrativa e Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
81 LEONEL PAVAN Senador PSDB-SC Contratação de Serviços Públicos SemLicitação e Concussão
82 LIDEU ARAÚJO Deputado PP-SP Crime Eleitoral
83 LINO ROSSI Deputado PP-MT Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
84 LÚCIA VÂNIA Senadora PSDB-GO Peculato
85 LUIZ ANTÔNIO FLEURY Deputado PTB-SP Improbidade Administrativa
86 LUPÉRCIO RAMOS Deputado PMDB-AM Crime de Aborto
87 MÃO SANTA Senador PMDB-PI Improbidade Administrativa
88 MARCELINO FRAGA Deputado PMDB-ES Crime Eleitoral, Sanguessugas(Escândalo das Ambulâncias)
89 MARCELO CRIVELA Senador PRB-RJ Crime Contra o Sistema Financeiro e Falsidade Ideológica
90 MARCELO TEIXEIRA Deputado PSDB-CE Sonegação Fiscal
91 MÁRCIO REINALDO MOREIRA Deputado PP-MG Crime Ambiental
92 MARCOS ABRAMO Deputado PP-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
93 MÁRIO NEGROMONTE Deputado PP-BA Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
94 MAURÍCIO RABELO Deputado PL-TO Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
95 NÉLIO DIAS Deputado PP-RN Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
96 NELSON BORNIER Deputado PMDB-RJ Improbidade Administrativa
97 NEUTON LIMA Deputado PTB-SP Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
98 NEY SUASSUNA Senador PMDB-PB Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
99 NILTON CAPIXABA Deputado PTB-RO Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
100 OSMÂNIO PEREIRA Deputado PTB-MG Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
101 OSVALDO REIS Deputado PMDB-TO Apropriação Indébita
102 PASTOR AMARILDO Deputado PSC-TO Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
103 PAULO AFONSO Deputado PMDB-SC Peculato, Crime Contra o SistemaFinanceiro e Improbidade Administrativa
104 PAULO BALTAZAR Deputado PSB-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias
105 PAULO FEIJÓ Deputado PSDB-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
106 PAULO JOSÉ GOUVEIA Deputado PL-RS Porte Ilegal de Arma
107 PAULO LIMA Deputado PMDB-SP Extorsão e Sonegação Fiscal
108 PAULO MAGALHÃES Deputado PFL-BA Lesão Corporal
109 PEDRO HENRY Deputado PP-MT Formação de Quadrilha, Lavagem deDinheiro e Corrupção Passiva, Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
110 PROFESSOR IRAPUAN Deputado PP-SP Crime Eleitoral
111 PROFESSOR LUIZINHO Deputado PT-SP Lavagem de Dinheiro
112 RAIMUNDO SANTOS Deputado PL-PA Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
113 REGINALDO GERMANO Deputado PP-BA Sanguessugas (Escândalo dasAmbulâncias)
114 REINALDO BETÃO Deputado PL-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
115 REINALDO GRIPP Deputado PL-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
116 REMI TRINTA Deputado PL-MA Estelionato e Crime Ambiental
117 RIBAMAR ALVES Deputado PSB-MA Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
118 RICARDO BARROS Deputado PP-PR Sonegação Fiscal
119 RICARTE DE FREITAS Deputado PTB-MT Improbidade Administrativa eFormação de Quadrilha, Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
120 RODOLFO TOURINHO Senador PFL-BA Gestão Fraudulenta de InstituiçãoFinanceira
121 ROMERO JUCÁ Senador PMDB-RR Improbidade Administrativa
122 ROMEU QUEIROZ Deputado PTB-MG Corrupção Ativa, Corrupção Passiva eLavagem de Dinheiro
123 RONALDO DIMAS Deputado PSDB-TO Crime Eleitoral
124 SANDRO MABEL Deputado PL-GO Crime Contra a Ordem Tributária
125 SUELY CAMPOS Deputada PP-RR Crime Eleitoral
126 TATICO (JOSÉ FUSCALDI CESÍLIO) Deputado PTB-DF Crime Contra aOrdem Tributária, Declaração Falsa de Imposto de Renda e SonegaçãoFiscal
127 TETÉ BEZERRA Deputado PMDB-MT Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
128 THELMA DE OLIVEIRA Deputada PSDB-MT Improbidade Administrativa eFormação de Quadrilha
129 VADÃO GOMES Deputado PP-SP Improbidade Administrativa e CrimeContra a Ordem Tributária
130 VALDIR RAUPP Senador PMDB-RO Peculato, Uso de Documento Falso,Crime Contra o Sistema Financeiro, Crime Eleitoral e Gestão Fraudulenta de Instituição Financeira
131 VALMIR AMARAL Senador PTB-DF Apropriação Indébita
132 VANDERLEI ASSIS Deputado PP-SP Crime Eleitoral, Sanguessugas(Escândalo das Ambulâncias)
133 VIEIRA REIS Deputado PRB-RJ Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)
134 VITTORIO MEDIOLI Deputado PV-MG Sonegação Fiscal
135 WANDERVAL SANTOS Deputada PL-SP Corrupção Passiva
136 WELLINGTON FAGUNDES Deputada PL-MT Sanguessugas (Escândalo dasAmbulâncias)
137 ZÉ GERARDO Deputado PMDB-CE Crime de Responsabilidade
138 ZELINDA NOVAES Deputada PFL-BA Sanguessugas (Escândalo das Ambulâncias)

3. Envio o link com site com o perfil dos políticos do Brasil.
http://www.politicosdobrasil.com.br
O site foi criado pelo jornalista Fernando Rodrigues, da Folha de São Paulo.
Saudações,Breno Sampaio

4. Colegas da História,
posiciono-me contrário ao voto nulo e a organização de campanhas em prol desta posição política.

Ao votar nulo cometemos dois erros: primeiro, tiramos a oportunidade de pessoas sérias, compromissadas com os deveres públicos, de assumirem os devidos cargos político-institucionais; segundo, não respeitamos a história de lutas políticas deste país, afinal hoje podemos votar no sentido mais amplo desta ação (mulheres, jovens com 16 anos, analfabetos, etc.) - realidade desde o final do último século após décadas de governos autoritários (1937-1945 e 1964-1985) e de séculos de injustiça política: voto de cabresto durante toda a República Velha e parte do Império (onde nascera a chaga chamada coronelismo), sem falar que na vida colonial éramos reduzidos a fornecedores de matéria-prima para uma pseudo-potência européia.

Concluindo, creio ser o voto nulo uma forma de exclusão política intencional. Ou seja, como que um suicídio político. Estaremos assim negando a realidade que vivemos, já que votando nulo é o mesmo que dizer que a vida política do meu país não me pertence, é algo que está distante de mim. Isso é ótimo para a continuidade desta bandalheira toda, e não o contrário.

BRASILEIROS, SEJAMOS POLÍTICOS E NÃO DESPOLITIZADOS.
VOTAR NULO = LAVAR AS MÃOS (como fizera o governador romano Pôncio Pilatos)!

EU NÃO VOU ME SUICIDAR POLITICAMENTE, E VOCÊS?

Abraços liberais, Tiago Menta.

Fonte: Vox Populi. Publicado pela revista Carta Capital

BRASIL

3 matérias do jornal Brasil de Fato apresentam outro olhar sobre questões fundamentais do Brasil de hoje.

1. Lobby dos transgênicos pressiona governo Lula (clique no titulo)

Apesar da submissão de Lula a seus interesses, capital quer mais e grita por rapidez na liberação de alimentos geneticamente modificados

*"Que dependam de insulina", pragueja presidente da CTNBio

2. A voracidade dos madeireiros (clique no titulo)

Na disputa pela floresta, latifundiários aterrorizam populações e cometem crimes ambientais

3. A ampliação do latifúndio (clique no titulo)

Em Paragominas, o paradoxo do avanço do agronegócio: enquanto o povo ouve falar do desenvolvimento econômico, a realidade é de crescimento das desigualdades

4. O economista Marcio Pochmann questiona aqueles que afirmam existir um excesso de funcionários públicos no Brasil, fazendo, inclusive, comparações com outros países, como a França e os Estados Unidos.

Emprego público no Brasil

Marcio Pochmann

Na última década, ganhou maior dimensão a visão de que o Brasil possuía funcionários públicos em demasia, concentrados nas funções meio e distantes, portanto, das atividades fins. Em outras palavras, o Estado seria uma espécie de cabide de emprego para os privilegiados, resultando em burocracia e incapacidade para exercer atividades vitais do serviço público para a população.

Embalado por esse diagnóstico, processou-se ao longo da década de 1990 uma profunda mudança no seu papel, com forte contenção do emprego e das funções públicas. A sociedade foi levada a imaginar que a reforma do Estado, por meio da privatização do setor produtivo estatal (empresas e bancos), fechamento e extinção de órgãos, departamentos e repartições, bem como a abertura do espaço público às organizações não-governamentais e à responsabilidade social do setor privado, resultaria na modernidade e na elevação do padrão de bem-estar econômico e social da população.

De fato, o conjunto das mudanças promovido no interior do setor público foi capaz de interromper a tendência de evolução do emprego público no Brasil. Assim se percebe, por exemplo, que a relação entre a quantidade de empregados no setor público e a população total do país, que havia aumentado 9,8 vezes entre 1920 e 1990, passou a cair desde então.

Em 1990, por exemplo, o Brasil possuía quase cinco funcionários públicos para cada grupo de cem brasileiros, enquanto em 1920 a relação era de 1 empregado público para cada grupo de 200 habitantes. Depois de 1990, no entanto, a tendência de alta no emprego público relativo à população foi rompida.

Em 14 anos (1990-2004), a proporção do emprego público no conjunto da população total caiu 6,1%. De certa forma, a inversão desse movimento evolutivo na relação do emprego público com a proporção da população refletiu as opções de modificação do papel do Estado no país.

No caso da privatização, percebeu-se que o seu avanço significou a demissão de meio milhão de trabalhadores do setor público. Além disso, outro conjunto de vagas na administração estatal foi extinto, tendo em vista a transferência de responsabilidade pública para o setor privado não-governamental e comunitário.

Em vista disso, caberia indagar se essa situação recente vivida pelo Brasil seria similar à experiência internacional, especialmente dos países desenvolvidos. Mas, por incrível que possa parecer, o setor público continua exercendo forte importância nos países desenvolvidos.

Em nações como a Suécia, o peso do emprego público representa quase 18% do total da população, enquanto na Alemanha se encontra próximo dos 7%. O Brasil, nesse sentido, está na contramão, justamente por apresentar uma das menores relações entre o emprego público e o total da população.

Em relação aos Estados Unidos, por exemplo, o Brasil possui o nível de emprego público como proporção da população quase 30% menor. Se a comparação for com a França, nota-se que lá há 2,1 vezes mais empregados públicos, como proporção da população total, que no Brasil.

E se a investigação for a respeito da classificação das funções do emprego público, observa-se que, no Brasil, a concentração das ocupações localiza-se justamente nas atividades fins. Ou seja, a cada dez empregados do setor público somente três localizam-se nas atividades meio, os sete demais, nas atividades fins.

Em síntese, o Brasil possui uma baixa relação do emprego público com o conjunto da população e mantém uma divisão não desproporcional de funções entre atividades meio e fins. Mas isso não significa que o setor público não precisa melhorar. É fundamental uma reforma que democratize o Estado e fortaleza as suas funções, sobretudo aquelas necessárias ao protagonismo do desenvolvimento econômico com inclusão social.

www.revistaforum.com.br

(Esta matéria integra a edição impressa de agosto da revista Fórum. Pode ser reproduzida desde que citada a fonte)

5. A Previdência Social no Brasil é deficitária? Volta e meia este assunto é discutido e, como querem os neoliberais, enfatiza-se sempre a necessidade de resolver o “déficit” monstruoso da mesma... Mas será que existe mesmo um déficit? O assunto precisa ser melhor discutido, afinal quase a metade da população brasileira depende da Previdência...

Maior ‘programa social’, Previdência beneficiou 75 milhões em 2006

INSS pagou por mês 21 milhões de benefícios previdenciários no primeiro semestre de 2006, num total de R$ 74 bilhões. O pagamento ajudou, em tese, 75 milhões de pessoas, já que se estima que cada benefício favorece quem o recebe e mais duas pessoas e meia. > LEIA MAIS Economia 23/08/2006

• Política econômica dos anos 90 prejudicou caixa da Previdência

• Ideológico, discurso pró-reforma esconde que modelo segue viável

• De novo, sistema previdenciário se torna a 'bola da vez'

6. Mauro Santayana se pergunta para que serve a res publica brasileira, se é que ela existe mesmo...

A cidadania e o mito republicano

Deixamos de ser monarquia, em 1889, mas ainda não somos uma república. É nessa perplexidade que percorremos estes 117 anos. Hoje, sem Antonio Conselheiro, uma imensa Canudos se espalha por todas as “favelas” do Brasil e por todas as estradas, sem saber para que vem servindo esta República, se não tem servido para reconhecer a sua condição humana. Por Mauro Santayana > LEIA MAIS Política 22/08/2006

INTERNACIONAL

A pergunta que dá o titulo a esta matéria fala por si. O que a humanidade pretende? Atender às necessidades fundamentais da infância ou continuar a produzir armas nucleares?

COMBATE À POBREZA

Uma ogiva nuclear ou 160 milhões de crianças na escola?

Segundo Kailash Satyarthi, coordenador da Marcha Global Contra o Trabalho Infantil, com US$ 11 bilhões seria possível garantir a educação de todas as crianças do mundo, valor correspondente a apenas 2% dos gastos militares no mundo. > LEIA MAIS Educação 24/08/2006

Kjeld Jakobsen

Impressões da viagem ao Líbano

Na viagem que fiz ao Líbano neste mês, pude constatar que Israel cometeu vários crimes de guerra, principalmente devido aos ataques indiscriminados contra a população civil e à utilização de armas coibidas pela Convenção de Genebra. - 28/08/2006

NUESTRA AMERICA

Cuba volta a ser assunto do Boletim. Do jornal Brasil de Fato, trazemos esta entrevista com Raul Castro, que reafirma o ponto de vista dos cubanos sobre os Estados Unidos e, particularmente, sobre o bushinho. De Boaventura Santos, um artigo versando sobre o significado da contribuição de Fidel para a ilha e para o mundo.

1. "Os Estados Unidos desrespeitam acordos internacionais" (clique no titulo)

Em entrevista, Raúl Castro - provisoriamente no comando de Cuba - diz que país está tomando medidas para se defender de uma intervenção e acusa Bush de patrocinar transmissões ilegais de TV

2. Boaventura de Sousa Santos

Cuba

É difícil encontrar no mundo povo mais cioso de sua independência e dignidade do que o cubano. Talvez aqui resida a contribuição mais importante de Fidel Castro para a luta dos povos por uma sociedade mais justa: a dignidade e a altivez de dizer Não à arrogância dos mais fortes. - 24/08/2006

Na Conferência latino-americana e caribenha de Ciências Sociais, a discussão dos temas de gênero também ganhou espaço.

3. Feminismo ajuda a desvendar outras relações de poder

O papel da luta feminista na “desnaturalização” (não aceitação como fenômeno inexorável) da discriminação de gênero é fundamental e complementar ao combate de outras formas de opressão existentes na sociedade. > LEIA MAIS Internacional 25/08/2006

4. As Ciências Sociais e as múltiplas ameaças do neoliberalismo

Reunidos pelo Clacso, especialistas em Ciências Sociais apontam a necessidade de interação do conhecimento científico com os novos saberes surgidos na América Latina e no Caribe. Cenário de catástrofe ambiental é citado como maior perigo do neoliberalismo. > LEIA MAIS Política 27/08/2006

• Homenageado, Casanova aponta desafios para a América Latina

• Para estudiosos, modalidades se estendem da religião às elites

• Emir Sader é eleito secretário-executivo da Clacso

NOTICIAS

1. Encontro Nacional de Estudantes de Historia - ENEH
Encontro que acontecerá na cidade de Florianópolis-SC entre os dias 02 e 09 de Setembro para os estudantes de História de todo o Brasil

mais informações www.eneh2006.ufsc.br

2. I Encontro Nordestino de História Colonial - Territorialidades, poder e identidades na américa portuguesa - séculos XVI a XVIII

7 a 10 de setembro de 2006

"Com seu recorte temático, o I Encontro Nordestino de História Colonial pretende promover o intercâmbio e a integração de estudos que são conduzidos nos Programas de Pós-Graduação em História da região, criando laços mais fortes entre os grupos de pesquisa dessas instituições que trabalham em áreas afins. Com isso, pretende-se que os pesquisadores em contato abram-se à interferência recíproca, somando às suas perspectivas de trabalho novos problemas e abordagens no campo da História Regional.Como espaço catalisador de estudos, o evento contribuirá para o aprofundamento e troca de experiências dos pesquisadores participantes, propiciando consistência tanto na formação quanto no aperfeiçoamento desses profissionais, em todos os níveis.A possibilidade de participação de pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa de outras regiões nas discussões que já vem sendo desenvolvidas já há algum tempo em Simpósios Temáticos de outros eventos regionais, nacionais e internacionais só ampliará ainda mais os resultados esperados para o ENHC 2006".Mais informações pelo site: http://www.cchla.ufpb.br/enhc2006/

3. Seleção para o Doutorado e Mestrado do Programa de pós-graduação em Sociologia Política/PPGSP - As inscrições para as provas de seleção para o Doutorado e Mestrado do Programa de pós-graduação em Sociologia Política do Centro de Filosofia e Ciências humanas (CFH) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) serão realizadas no período de 2/10 a 27/10/2006. Mais informações em www.sociologia.ufsc.br ou pelo e-mail: ppgsp@cfh.ufsc.br.

4. Seleção para o Mestrado do Programa de pós-graduação em Relações Internacionais/UNESP-UNICAMP-PUC - O Programa de pós-graduação em Relações Internacionais da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), abrira' inscrições para a seleção de candidatos para o Mestrado, durante o período de 09 a 24/10/2006. Mais informações pelo e-mail: relinter@reitoria.unesp.br.

5. Seleção para o Mestrado do Programa de pós-graduação em Antropologia Social/UFRNAs inscrições para as provas de seleção para o Mestrado do Programa de pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) serão realizadas no período de 9/10 a 13/11/2006. Mais informações em www.cchla.ufrn.br/ppgas ou pelo e-mail: ppgas@cchla.ufrn.br.

6. Seleção de candidatos para o Mestrado e Doutorado do Programa de pós-graduação em Relações Internacionais/PUC-RJ - O Programa de pós-graduação em Relações Internacionais da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), abrira' inscrições para a seleção de candidatos para o Mestrado e Doutorado, durante o período de 4/9 a 14/11/2006. Mais informações em www.puc-rio.br/iri

7. III Congresso Latino-americano de Ciência Política/IFCH-UNICAMP

O III Congresso Latino-americano de Ciência Política será realizado na Universidade Estadual de Campinas, de 4 a 6/9/2006. O evento terá como questão central a forma como nossas democracias convivem com as estruturas de reiteração das desigualdades. Mais informações pelo e-mail: alacip@unicamp.br.

8. II Encontro Latino Americano de Historia Oral

O II Encontro Latino Americano de Historia Oral, que terá como tema central "Experiências Historiográficas, Docentes e Visuais", será realizado no Panamá entre 29 e 31/1/2007. O prazo para envio de trabalhos será ate' 30/9/2006. Mais informações em www.hola.pro.br ou pelo e-mail: historiaoral@cordoba.gov.ar.

9. Chamada para artigos/Revista- A Revista Cadernos de Antropologia e Imagem esta' recebendo colaborações para o seu próximo numero, que terá como tema "Turismo e Meio Ambiente". Os artigos devem ser enviados para o ate' 30/9/2006. Mais informações pelo e-mail: cadernos@uerj.br.


LIVROS E REVISTAS

1. Nas bancas o número 11 da Revista de Historia da Biblioteca Nacional, com um dossiê sobre Marechal Rondon. Ainda: entrevista com Nuno Monteiro e artigos sobre a corte no Rio de Janeiro – a imprensa dos negros no Brasil – as perseguições aos cristãos-novos no império português – as lembranças de Graciliano Ramos - as mulheres da coluna Prestes.

2. Também nas bancas o número especial temático 14 da revista História Viva. O tema deste número é Mar Português – a epopéia de um pequeno país europeu que iniciou no século XVI a globalização.

SITES INTERESSANTES

1. No site da revista Ciência Hoje, a novidade da semana: Os livros didáticos terão de excluir Plutão da lista de planetas! Leia em http://cienciahoje.uol.com.br/55835

2. Também no mesmo site, a Ciência Política comparece com um estudo que mostra a mão de ferro dos presidentesEstudo analisa grande incidência de vetos presidenciais a projetos aprovados pelo Legislativo
Leia em http://cienciahoje.uol.com.br/55703

CINEMA

Soldados da borracha não apagam a história

A história do segundo Ciclo da Borracha e o resgate da dívida do Estado brasileiro para com milhares agricultores nordestinos que foram transferidos para a Amazônia a partir do acordo entre Brasil e EUA é o tema de "Borracha para a Vitória", que foi ao ar pela Rede Pública de Televisão no domingo (27). - 25/08/2006

ENTREVISTA

Carla Rodrigues, do site www.nominimo.com.br, entrevistou uma historiadora para colocar mais lenha na fogueira do debate pró/contra as cotas raciais.

A favor das cotas raciais

A historiadora Wania Sant’Anna é uma experiente pesquisadora de relações raciais. Autora de vários trabalhos sobre o tema, como o “Dossiê Assimetrias Raciais no Brasil: Alerta para a elaboração de políticas públicas”, ela tem argumentos sólidos na veemente defesa que faz das cotas raciais. Num debate em que ambos os lados têm sido radicais, abrir espaço para opiniões contraditórias é a melhor forma de esclarecer o leitor e fornecer o máximo de subsídios possível para uma tomada de decisão. Foi com esse objetivo que Contemporânea foi ouvir as opiniões de Wania. Nessa entrevista, ela lembra as diversas leis que impediram a igualdade jurídica entre negros e brancos e discorda da hipótese de que as cotas possam vir a criar ódio racial ou desmereçam os esforços de ascensão da população negra: “Estamos ascendendo por nossos próprios méritos, inclusive os de organização política.”

Qual é a importância da distinção entre discriminação racial e racismo, considerando que discriminação racial seria caracterizada por mecanismos jurídicos que impedissem os negros de ter acesso a universidade?

Sim, é verdade que existem distinções conceituais e práticas entre preconceito, discriminação racial e racismo, mas no caso das universidades, ou em todas as situações nas quais podemos perceber um perfil segregado de participação o que está em operação é o conjunto das práticas discriminatórias. Ou seja, o preconceito, a discriminação racial e o racismo. Quando as situações e realidades não refletem equidade de participação, quando a diversidade do perfil humano – especialmente o étnico/racial e o de gênero – não se apresenta como uma experiência, temos aí um exemplo, um exercício da cultura de exclusão e de delimitação de espaço.
No debate atual insiste-se em dizer que o Brasil nunca teve legislações racistas, especialmente após a proclamação da República. Isso não é verdade. Decreto 528, de 28 de junho de 1890, proibia o ingresso de imigrantes de origem africana e asiática sem autorização do Congresso. Em 1921 o Itamaraty emitia ordens explícitas às embaixadas brasileiras nos Estados Unidos para que essas negassem visto aos afro-americanos que pretendessem compra terras no Mato Grosso. Decreto-Lei 7.967, de 18 de setembro de 1945, Governo Vargas, também sobre política imigratória menciona: “todo o estrangeiro poderá entrar no Brasil desde que satisfaça as condições estabelecidas por esta lei” e que “atender-se-á, na admissão dos imigrantes, a necessidade de preservar e desenvolver, na composição étnica da população, as características mais convenientes da sua ascendência européia, assim como a defesa do trabalhador nacional”. Mais claro e direto, é impossível. Tudo isso sob o regime republicano.

A falta de acesso estaria ligada à pobreza e à má qualidade da educação, o que é igual para negros e brancos pobres. Por que as cotas a partir do critério de renda não resolveriam o problema?

Existe um incrível reducionismo ao associar o caráter segredado de ingresso alunos ao ensino superior à pobreza, ou seja, ao rendimento da população. Parece óbvio, com as experiências em curso, que o padrão educacional, no seu conjunto, precisa ser revisto – e essa é uma decisão a ser tomada para o ensino público e privado. É uma inverdade imaginar que apenas as escolas públicas estão claudicantes, as escolas privadas padecem de mal semelhante. Melhorar a qualidade da educação no Brasil é um ato imperativo e isso não deve estar associado a fatores relacionados à renda, mas ao projeto de país que se quer ter, ou não, no século XXI. Contrapor uma decisão a outra é não querer enfrentar o debate sobre a desigualdade étnico/racial no Brasil. Quem é a favor da cotas raciais não é contra as cotas, ditas, sociais. Mas estão convencidos que essas não são suficientes para atacar discriminações históricas experimentadas pela população afro-descendente.

Você acredita que as cotas acirrariam o ódio racial e a discriminação? Não teme pela reação dos brancos pobres que permanecerão excluídos?

Primeiro é importante registrar que não são as organizações do movimento negro e seus ativistas quem mencionam a idéia de que, no futuro, enfrentaríamos algo como ódio racial. Segundo, qual tipo discriminação nós iríamos enfrentar? Por que pessoas, especialmente afro-descendentes, com maior nível de escolaridade e acesso a empregos resultaria em ódio racial? Políticas de ação afirmativa para pessoas afro-descendentes visam, insisto, em corrigir negações e distorções históricas.
Quanto aos brancos pobres é impressionante, há uma década atrás ninguém mencionava a sua existência. Os pobres não tinham cor alguma, eles eram apenas pobres. Então, olhemos a situação sob o seguinte prisma, com o acesso mais eqüitativo da população afro-descendente a bens e serviços, haverá mais dinamismo econômico – estamos falando de algo como 48% da população brasileira – e isso seria suficiente para acomodar as necessidades sociais e econômicas da população branca – pobre e não tão pobre. Aliás, sejamos justos, isso já está acontecendo na prática. Vejamos o exemplo do Pro-Uni, não fosse a movimentação das organizações negras, não teríamos um programa com essas características. Isso é um fato.

Um dos argumentos muito utilizados contra as cotas é que os negros devem ascender pelos seus próprios méritos e que as cotas os desqualificariam. Você discorda? Por que?

Estamos ascendendo por nossos próprios méritos, inclusive os de organização política. Fomos capazes de colocar a inclusão social e econômica da população afro-descendente como assunto nacional por nossos próprios méritos e contra todas as tentativas de reduzir esse debate a uma questão de classe. Luta por direitos e satisfação desses direitos não desqualifica nenhum grupo social, ao contrário. Os portadores de necessidade especiais, tendo garantido os seus direitos ao trabalho e à educação, por exemplo, não se desqualificam por ter acesso a esses direitos. Ter apreço por sua história, reconhecer que a escravidão é uma mácula da sociedade moderna e que precisamos corrigir o martírio experimentado por nossos ancestrais deve deixar a todos – afro-descendentes e brancos – orgulhosos de sua generosidade em dar uma solução sustentável ao país.
Finalmente, importa registrar que o debate sobre acesso às universidades só se tornou possível graças à ação voluntária de jovens afro-descendentes e brancos das periferias do Rio de Janeiro que tiveram a coragem de criar, gerenciar e fazer factível o seu ingresso nas universidades públicas e privadas. A experiência dos pré-vestibulares para negros e carentes estão na origem das propostas atuais de acesso às universidades e isso há mais de uma década. Foram eles os grandes responsáveis pela legislação estadual que fizeram da UERJ a primeira universidade do país a ter cotas raciais e sociais. Portanto, esses jovens apostaram que a solução, para eles, não estava apenas, nas atividades musicais e esportivas. Eles compreenderam que essas atividades não criam, desculpe-me a franqueza, em médio prazo, ciência, tecnologia e competitividade. Ou seja, não atende às suas necessidades e às necessidades urgentes do país. E acredito que aí está a originalidade e generosidade das propostas apresentadas pelas organizações do movimento negro. Estamos interessados no progresso da Nação e não na manutenção de privilégios
.


INFORME DA ANPUH – Nº 15/2006

1. XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

Lembramos aos associados que já está no ar a página do próximo Simpósio Nacional de História, que ocorrerá na Unisinos, em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, entre os dias 15 e 20 de julho de 2007. Convidamos os associados e demais interessados a visitá-la. Nos meses de setembro e outubro, estaremos recebendo as proposições de simpósios temáticos e mini-cursos, conforme instruções disponíveis na página: http://www.rio.rj.gov.br/arquivo

(b) Os organizadores do IV Seminário Fontes Históricas: Patrimônio da Sociedade, História, Educação e Práticas Culturais, que ocorre de 11 a 15 de setembro de 2006, em Palmas, Tocantins, informam que foi modificado a data para a apresentação de trabalhos e que estarão recebendo propostas para comunicações até o dia 05/09/06.

(c) O Centro de Documentação e Pesquisa Histórica CDPH http://www.uel.br/cch/cdph/ apresenta, como parte das atividades da III Semana de História e Arquivologia, a exposição de documentos do "Arquivo Pablo Luciano Medina: Movimentos Sociais e Peronismo na Argentina". De 21/8 a 06/9 de 2006. O CDPH recebeu, em novembro de 2005, o "Arquivo Pablo Luciano Medina - Movimentos Sociais e o Peronismo na Argentina". Trata-se de livros e obras raras adquiridos com recursos da própria Universidade Estadual de Londrina, por iniciativa dos professores Hermann Iark Oberdiek e Pedro Roberto Ferreira, do Departamento de Ciências Sociais. O acervo foi fornecido pelo CEDIMECO - Centro de Documentação de Cultura Latino-americana - atual - Arquivo Cultural e Livraria LA NUBE, localizada em Buenos Aires, capital da Argentina.

(d) O 1º Simpósio Nacional, o Rural e o Urbano no Brasil acontece nos dias 08 e 09 de dezembro de 2006, no Departamento de Geografia da USP. Para maiores informações, vide a página:www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/agraria.

(e) I° Seminário Nacional de História da Universidade Federal de Viçosa. Estão abertas as inscrições para a proposição de mini-cursos e de comunicações para o I° Seminário Nacional de História da UFV. O tema do evento será O laboratório do historiador: olhares sobre cultura, memória e sociedade. O Seminário acontece entre 28 de novembro e 1 de dezembro de 2006. O recebimento de propostas de mini-cursos será de 28 de agosto e 25 de setembro e das comunicações entre 28 de agosto a 16 de outubro. Inscrição para participação no Seminário: 20 de outubro a 28 de novembro. Informações gerais, instruções para proposição de mini-cursos e comunicações e inscrições, por meio do e-mail: simposiohistoria@ufv.br

3. PROCESSOS SELETIVOS - MESTRADO

O Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS / UFRN) informa que já encontram-se disponíveis as modalidades para o processo seletivo 2007 (nível Mestrado). As inscrições acontecerão entre os dias 09 de outubro e o dia 13 de novembro de 2006. A seleção ocorrerá do dia 27 de novembro até 01 de dezembro. Maiores informações assim como a bibliografia para a prova escrita e lista de documentos necessários à inscrição poderão ser obtidas no site do PPGAS/UFRN: www.cchla.ufrn.br/ppgas Telefone: (84) 3215.3653 - Fax: (84) 3215.3547 - e-mail: ppgas@cchla.ufrn.br

4. LANÇAMENTO DE REVISTAS

(a) A Revista de História do departamento de História da FFLCH_USP já se encontra on-line, contendo inclusive os números da RH em PDF desde 1997, no seguinte endereço: http://www.fflch.usp.br/dh/dhrh/.

5. LANÇAMENTO DE LIVROS

Foi lançado o livro "O capitão Lamarca e a VPR: Repressão judicial no Brasil", de Wilma Antunes Maciel. Originalmente uma dissertação de mestrado em História Social defendida na FFLCH/USP, o livro foi publicado pela Alameda Editorial na coleção Teses. Para mais informações, acesse: http://www.alamedaeditorial.com.br/o-capitao-lamarca-e-a-vpr/

6. CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS

(a) A CRONOS, Revista de História das Faculdades Pedro Leopoldo, ISSN 1518-8620, convida colaboradores para apresentação de artigos, resenhas e textos de opinião para integrar o número 10, edição comemorativa da Revista. Cronos 10 publicará o Dossiê Patrimônio - Arquivos, Museus e Bibliotecas. Os artigos deverão conter entre 05 e 25 páginas, as resenhas entre 3 e 5 páginas e os textos de opinião entre 5 e 10 páginas, fonte Arial, 10, espaçamento 1,5, obedecendo-se, além disso, as normas da ABNT. Ver maiores detalhamentos em www.unipel.edu.br As contribuições deverão ser enviadas para a Comissão Editorial de Cronos, Rua Teófilo Calazans de Barros, 100, Santo Antônio da Barra, Pedro Leopoldo, CEP 33 600 000, em atenção à Coordenadora do Curso de História, Profa. Elizabeth Seabra. Cronos 10 receberá contribuições até 30 de setembro, observando-se a data de postagem. Mais informações: historia@unipel.edu.br

(b) A Revista Aulas, já disponível on-line no endereço www.unicamp.br/~aulas, convida a todos os pesquisadores da área de História Cultural, assim como, de disciplinas e temáticas afins, para participarem de seu próximo número, de modo especial, solicita contribuições para o Dossiê "Identidades Nacionais", que está sendo organizado pelo Professor Dr. Glaydson José da Silva. As formas de participação estão informadas na revista, assim como as normas de publicação. Contato: aulas@unicamp.br

7. OUTROS

O Centro de Documentação e Pesquisa Histórica - UEL convida todos a visitar a nova homepage no endereço http://www.uel.br/cch/cdph/. Chamamos a atenção especialmente para o Guia Parcial dos Arquivos e Coleções de entidades públicas e privadas, bem como para o Catálogo de Periódicos, Teses e Dissertações.Destacamos que o Guia foi elaborado dentro do modelo proposto pela NOBRADE - Norma Brasileira de Descrição Arquivistica, versão preliminar para discussão. Além disto, o CDPH presta apoio à realização de eventos da UEL, professores da rede de ensino fundamental e médio e exposições, cursos e atividades culturais que se encontram no referido site que é permanentemente atualizado.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial