Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

24.10.07

Número 110



EDITORIAL

Dois temas no Editorial de hoje. O primeiro recomenda a leitura de um artigo da Ciência Hoje, a respeito das declarações racistas do geneticista americano James Watson, que escandalizou o mundo cientifico com seus pseudo-argumentos a respeito dos negros.

Leia em http://cienciahoje.uol.com.br/103486

No artigo, você terá links para o artigo completo de Watson, além de artigos do geneticista brasileiro Sérgio Pena, da UFMG, que mostram a inconsistência do comentário infeliz feito por ele.

Voltando ao tema das críticas aos livros didáticos, a revista Época, fazendo coro ao jornal O Globo, desta semana publicou matéria a respeito. O Jornalista Alberto Dines, do Observatório da Imprensa, retrucou ao artigo. Discordo de Alberto Dines em muita coisa, particularmente no afirmar que o artigo do Kamel no Globo foi “oportuno”. Acho que ficaria melhor “oportunista”.... mas, de qualquer forma, estou reproduzindo o que ele publicou no Observatório:

Livros e didática

O papel educativo da imprensa quase sempre se reduz à notícia sobre os fatos da educação. A imprensa está sempre pronta, por exemplo, a cumprir essa função de crítica do material que é produzido para os estudantes.

Mas quando jornais e revistas se tornam veículos de material didático, nem sempre demonstram o mesmo cuidado.

Dines:"Os livros didáticos refletem ou distorcem a realidade?" Esta é a pergunta da capa da última edição da revista Época. A matéria é de certa forma uma continuação do debate suscitado por um oportuno artigo do jornalista Ali Kamel publicado há um mês em O Globo. Depois de examinar a matéria da revista, fica-se com vontade de mudar a pergunta: "Nossa imprensa reflete ou distorce a realidade?" Para começar: o título da capa -- "O que estão ensinando a nossas crianças" -- é impróprio. O mais correto seria "O que estão ensinando às [craseado] nossas crianças" como, aliás, está na abertura da reportagem. Se a revista sabe o que é certo, por que escolheu para a capa justamente o titulo menos correto? Mas a bomba está escondida no fascículo do Guia Época de Vestibular que acompanha a revista e foi preparado por uma empresa privada. O fascículo trata do Oriente Médio e nele constam erros grosseiros, impropriedades e, sobretudo, graves preconceitos dos seus autores. Se o governo não pode distribuir livros didáticos errados, a imprensa que critica o governo deveria estar mais atenta ao assumir o papel de educadora. (grifo meu)

Principais erros do fascículo 9, “O Oriente Médio em Pé de Guerra”:

** O destino da região não foi selado em 1918 “por uma intervenção franco-britânica”. Foi o fim do império otomano que produziu um redesenho do mapa regional não apenas na Palestina mas também no Líbano, Síria, Iraque, margem oriental do rio Jordão e península arábica.
** O sionismo não foi fundado pelo jornalista Theodore Herzel (o nome correto é Theodor Herzl), ele criou o sionismo político. O movimento de massas dos “amantes de Sion” é anterior ao projeto do jornalista.
** Dizer que o “organizado sionismo contava com forte retaguarda financeira de banqueiros judeus de Londres” é uma mistificação. Equivale a dizer que a luta dos palestinos por seu estado só conta com a forte retaguarda dos sheiks do petróleo.
** A Declaração Balfour para a criação de um Lar Nacional Judeu na Palestina não criou o problema, tratou-se de promessa da potência mandatária. O desrespeito à decisão da ONU votada em Novembro de 1947 de partilhar a Palestina em dois estados foi a responsável pelos problemas que se arrastam até hoje.
** É um perigoso eufemismo afirmar que em 1948 “os árabes não aceitaram aquilo que denunciavam como um corpo estranho no mundo árabe”. Os cinco países que invadiram simultaneamente o estado de Israel recém-proclamado estavam contrariando uma decisão da Assembléia Geral das Nações Unidas.
** Os palestinos não foram expropriados das suas terras em 1948. Os palestinos foram vítimas de uma agressão perpetrada pelo Egito, Iraque, Transjordania, Síria e Líbano. Além da tentativa de aniquilamento do Estado de Israel, Jerusalém (que segundo a ONU deveria ser internacionalizada) foi parcialmente ocupada pela Transjordania.
** Qual a razão do adjetivo “legendário” para designar Yasser Arafat? Foi o incentivador do moderno terrorismo que até hoje ensangüenta a região e ao que consta acumulou indevidamente uma grande fortuna. E por que razão David Ben Gurion também não ganhou um adjetivo simpático?
** No mapa da pg. 3 do fascículo sobre a Partilha da Palestina a margem oriental do rio Jordão é mencionada como Jordânia. Na ocasião era Transjordania. Ao invadir território palestino o reino passou a chamar-se Jordânia.

Os fascículos do Guia Época de Vestibular foram desenvolvidos pelo UNO Sistema de Ensino da Editora Moderna para a Editora Globo. O fascículo comentado é o Nº 9.
E graças ao Guilherme Souto, descobri hoje uma pérola, que não poderia deixar de publicar aqui. Trata-se de uma carta de um professor de História do Rio de Janeiro ao nosso brilhante colega Ali Kamel:

Carta aberta ao professor Ali Kamel

Por Denilson Botelho (*) - denilson@fazendomedia.com


Caro Ali Kamel,

Primeiramente gostaria de agradecer-lhe pelo brilhantismo com que tem brindado os leitores do jornal O Globo nas últimas semanas. Os seus últimos artigos são verdadeiras aulas de história, cuja perspicácia e sagacidade eu jamais vi durante toda a minha formação acadêmica. Sua análise dos livros didáticos de história, que nós professores temos adotado, talvez distraidamente, soa como um alerta que não podemos desprezar.
Quando demolistes o livro de Mario Schmidt, um certo desconforto já tomara conta de mim. Não porque eu o tenha adotado nas turmas para as quais leciono história no ensino fundamental, embora eu nada possa dizer que desabone ou desaconselhe o uso dos livros deste autor. É que eu aprendi desde cedo, já na escola, creio eu, que texto algum é portador de verdades absolutas. Tal convicção consolidou-se nos anos que freqüentei a graduação em História na Universidade Federal Fluminense.
Lá, os professores que tive, cujos conhecimentos nem se comparam à enorme sabedoria que tens, ensinaram-me que todo texto precisa ser analisado de forma crítica. Seja uma fonte utilizada para elaborar o conhecimento histórico, seja o livro didático que sintetiza as pesquisas produzidas na universidade. E tal perspectiva crítica deve ser insistentemente compartilhada com os alunos, como parte do processo de aprendizagem que se desenvolve nesta disciplina que hoje tem no senhor um notório especialista.
Além disso, aprendi também que em tudo há a tal da ideologia, mesmo nos textos e autores que insistem em negá-la ou ocultá-la. Ou seja, nossas escolhas político-ideológicas sempre se fazem presentes, ainda que queiramos omiti-las, de boa ou má fé. Em suma, aqueles professores que eu tanto admirava, até conhecê-lo nas páginas desse tão renomado diário, ensinaram-me já nos primeiros períodos da faculdade que não existe conhecimento neutro e isento, seja ele científico ou não.
Lembro-me do caso clássico da análise - que sempre faço com os meus alunos - da carta-testamento de Getúlio Vargas. Nela desaparece o ditador perverso do Estado Novo para dar lugar ao homem que deixa a vida para entrar para a história, numa pérola de discurso político-ideológico que reconstrói a memória de quem pretende ingressar na posteridade como pai dos pobres. E funda-se no Brasil o populismo endêmico que até hoje grassa entre nossos políticos e tanto mal nos faz.
Mas devo estar mesmo equivocado, pois descobri com o senhor que o jornalismo é, sim, um caso raro e indiscutível de conhecimento neutro, isento e objetivo (ver “O jornalismo”, em O Globo de 23/01/2007). Prova disso está na mesmice do noticiário dos grandes jornais deste país. Se O Globo, a Folha de S. Paulo, o Jornal do Brasil e o Estadão deram ontem, hoje e sempre as mesmas notícias é porque, como o senhor teve a bondade de nos explicar, seus repórteres e jornalistas foram “treinados” (jamais imaginei que se treinavam jornalistas tal como se adestram cães...) para identificar e selecionar o que é relevante nos acontecimentos do dia-a-dia. Ou seja, os jornalões nos servem diariamente a verdade dos fatos, de forma neutra e isenta, sem qualquer abordagem de natureza ideológica.
Talvez por isso agora o senhor retome as críticas aos livros didáticos de história do Projeto Araribá, que eu, idiota, escolhi usar em 2008 com os meus alunos. Afinal, os livros didáticos de história deveriam ser como os jornais - neutros e isentos - e estão por aí catequizando nossas criancinhas na cartilha do socialismo e pior, do governo Lula, do PT. Francamente! Esse mundo está perdido, não é mesmo? Até porque professores como eu não foram “treinados” como são os jornalistas d’O Globo para identificar o que é relevante para nossos alunos...
Então eu lhe faço aqui publicamente uma proposta, senhor Kamel. Abro mão do meu posto de professor de história da escola pública municipal em que leciono e... cedo-lhe a vaga – inclusive com o respectivo salário, que há de alterar significativamente o seu padrão de vida. Venha o senhor dar aulas de história para a garotada do morro do Cruz, logo ali no Andaraí, zona norte do Rio de Janeiro. Deixe o conforto do ar condicionado da redação em que trabalha e venha enfrentar nossas calorentas salas de aula já! Venha dar sua contribuição inestimável, dando aulas não só através das páginas do jornal, mas como o professor talentoso que demonstra ser. A sociedade brasileira certamente terá muito a ganhar com uma atitude como esta...
Só não vale enviar no seu lugar aquele tal de Eduardo Bueno, que nos últimos domingos tem estado no seu prestigioso Fantástico, junto com o Pedro Big Brother Bial, dando aulas de história como nunca antes se viu. Não leve a mal, mas é que o Bueno insiste em apresentar a história de forma maniqueísta, como tendo sido feita por vilões e mocinhos. E o senhor sabe que esta é uma visão estreita e empobrecedora da história. Afinal, temos por aí vários vilões que se apresentam como mocinhos, inclusive ao fazer a análise de livros didáticos...
(*) Denilson Botelho é historiador, professor e autor de A pátria que quisera ter era um mito.

FALAM AMIGOS E AMIGAS



1. Bom dia Prof°. Ricardo !
Agradeço-lhe imensamente pelos boletins de História enviados todas as semanas. Com certeza, são de grande valia, principalmente para quem está atuando na área.
Que Deus abençoe constantemente a sua caminhada pessoal e profissional.
Um grande abraço!
De seu ex-aluno, Cláudio Antonio Antunes - Uni/BH - 2° semestre de 2001.


2. Silvana me envia o artigo abaixo, a propósito do badalado filme Tropa de elite. Não assisti, mas ando acompanhando a polêmica criada por ele. Infelizmente, já existe até um email circulando por ai, dizendo que o tal Nascimento seria a solução para o Brasil. Acho que o comentário abaixo deveria ser lido atentamente por todos, principalmente por aqueles que pensam assim.

TROPA DE ELITE: A CRIMINALIZAÇÃO DA POBREZA!
(Ivan Pinheiro)
"Homem de preto.
Qual é sua missão?
É invadir favela
E deixar corpo no chão"
(refrão do BOPE)
Não dá cair no papo furado de que "Tropa de Elite" é "arte pura" ou "obra aberta". Um filme sobre questões sociais não podia ser neutro. Trata-se de uma obra de arte objetivamente ideológica, de caráter fascista, que serve à criminalização e ao extermínio da pobreza. É possível até que os diretores subjetivamente não quisessem este resultado, mas apenas ganhar dinheiro, prestígio e, quem sabe, um Oscar. Vão jurar o resto da vida que não são de direita. Aliás, você conhece alguém no Brasil, ainda mais na área cultural, que se diga de direita?
Como acredito mais em conspirações do que no acaso, não descarto a hipótese de o filme ter sido encomendado por setores conservadores. Estou curioso para saber quais foram os mecenas desta caríssima produção, que certamente foi financiada por incentivos fiscais.
O filme tem objetivos diferentes, para públicos diferentes. Para os proletários das comunidades carentes, o objetivo é botar mais medo ainda na "caveira" (o BOPE, os "homens de preto"). O vazamento escancarado das cópias piratas talvez seja, além de uma estratégia de marketing, parte de uma campanha ideológica. A pirataria é a única maneira de o filme ser visto pelos que não podem pagar os caros ingressos dos cinemas. Aliás, que cinemas? Não existe mais um cinema nos subúrbios, a não ser em shopping, que não é lugar de pobre freqüentar, até porque se sente excluído e discriminado.
No filme, os "caveiras" são invencíveis e imortais. O único que morre é porque "deu mole". Cometeu o erro de ir ao morro à paisana, para levar óculos para um menino pobre, em nome de um colega de tropa que estava identificado na área como policial. Resumo: foi fazer uma boa ação e acabou assassinado pelos bandidos.
Para as classes médias e altas, o objetivo do filme é conquistar mais simpatia para o BOPE, na luta dos "de cima", que moram embaixo, contra os "de baixo", que moram encima.
Os "homens de preto" são glamourizados, como abnegados e incorruptíveis. Apesar de bem intencionados e preocupados socialmente, são obrigados a torturar e assassinar a sangue frio, em "nosso nome". Para servir à "nossa sociedade", sacrificam a família, a saúde e os estudos. Nós lhes devemos tudo isso! Portanto, precisam ser impunes. Você já viu algum "caveira" ser processado e julgado por tortura ou assassinato? "Caveira" não tem nome, a não ser no filme. A "Caveira" é uma instituição, impessoal, quase secreta.
Há várias cenas para justificar a tortura como "um mal necessário". Em ambas, o resultado é positivo para os torturadores, ou seja, os torturados não resistem e "cagüetam" os procurados, que são pegos e mortos, com requintes de crueldade. Fica outra mensagem: sem aquelas torturas, o resultado era impossível.
Tudo é feito para nos sentirmos numa verdadeira guerra, do bem contra o mal. É impossível não nos remetermos ao Iraque ou à Palestina: na guerra, quase tudo é permitido. À certa altura, afirma o narrador, orgulhoso : "nem no exército de Israel há soldados iguais aos do BOPE".
Para quem mora no Rio, é ridículo levar a sério as cenas em que os "rangers" sobem os morros, saindo do nada, se esgueirando pelas encostas e ruelas, sem que sejam percebidos pelos olheiros e fogueteiros das gangues do varejo de drogas! Esta manipulação cumpre o papel de torná-los ainda mais invencíveis e, ao mesmo tempo, de esconder o estigmatizado "Caveirão", dentro do qual, na vida real, eles sobem o morro, blindados. O "Caveirão", a maior marca do BOPE, não aparece no filme: os heróis não podem parecer covardes!
O filme procura desqualificar a polêmica ideológica com a esquerda, que responsabiliza as injustiças sociais como causa principal da violência e marginalidade. Para ridicularizar a defesa dos direitos humanos e escamotear a denúncia do capitalismo, os antagonistas da truculência policial são estudantes da PUC, "despojados de boutique", que se dão a alguns luxos, por não terem ainda chegado à maioridade burguesa.
Os protestos contra a violência retratados no filme são performances no estilo "viva rico", em que a burguesia e a pequena-burguesia vão para a orla pedir paz, como se fosse possível acabar com a violência com velas e roupas brancas, ou seja, como se tratasse de um problema moral ou cultural e não social.
A burguesia passa incólume pelo filme, a não ser pela caricatura de seus filhos que, na Faculdade, fumam um baseado e discutem Foucault. Um personagem chamado "Baiano" (sutil preconceito) é a personificação do tráfico de drogas e de armas, como se não passasse de um desses meninos pobres, apenas mais espertos que os outros, que se fazem "Chefe do Morro" e que não chegam aos trinta anos de idade, simples varejistas de drogas e armas, produtos dos mais rentáveis do capitalismo contemporâneo. Nenhuma menção a como as drogas e armas chegam às comunidades, distribuídas pelos grandes traficantes capitalistas, sempre impunes, longe das balas achadas e perdidas. E ainda responsabilizam os consumidores pela existência do tráfico de drogas, como se o sistema não tivesse nada a ver com isso!
O Estado burguês também passa incólume pelo filme. Nenhuma alusão à ausência do Estado nas comunidades carentes, principal causa do domínio do banditismo. Nenhuma denúncia de que lá falta tudo que sobra nos bairros ricos. No filme, corrupção é um soldado da PM tomar um chope de graça, para dar segurança a um bar. Aliás, o filme arrasa impiedosamente os policiais "não caveiras", generalizando-os como corruptos e covardes, principalmente os que ficam multando nossos carros e tolhendo nossas pequenas transgressões, ao invés de subirem o morro para matar bandido.
A grande sacada do filme é que o personagem ideológico principal não é o artista principal. Este, branco, é o que mais mata. Ironicamente, chama-se Nascimento. É um tipo patológico, messiânico, sanguinário, que manda um colega matar enquanto fala ao celular com a mulher sobre o nascimento do filho. Mas para fazer a cabeça de todos os públicos, tanto os "de cima" como os "de baixo", o grande e verdadeiro herói da trama surge no final: Thiago, um jovem negro, pacato, criado numa comunidade pobre, que foi trabalhar na PM para custear seus estudos de Direito, louco para largar aquela vida e ser advogado. Como PM, foi um peixe fora d'água: incorruptível, respeitava as leis e os cidadãos. Generoso, foi ele quem comprou os óculos para dar para o menino míope. Sua entrada no BOPE não foi por vocação, mas por acaso.
Para ficar claro que não há solução fora da repressão e do extermínio e que não adianta criticar nem fazer passeata, pois "guerra é guerra", nosso novo herói se transforma no mais cruel dos "caveiras" da tropa da elite, a ponto de dar o tiro de misericórdia no varejista "Baiano", depois que este foi torturado, dominado e imobilizado. Para não parecer uma guerra de brancos ricos contra negros pobres, mas do bem contra o mal, o nosso herói é um "caveira" negro, que mata um bandido "baiano", de sua própria classe, num ritual macabro para sinalizar uma possibilidade de "mobilidade social", para usar uma expressão cretina dos entusiastas das "políticas compensatórias".
A fascistização é um fenômeno que vem sendo impulsionado pelo imperialismo em escala mundial. A pretexto da luta contra o terrorismo, criminalizam-se governos, líderes, povos, países, religiões, raças, culturas, ideologias, camadas sociais.
Em qualquer país em que "Tropa de Elite" passar, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, o filme estará contribuindo para que a sociedade se torne mais fascista e mais intolerante com os negros, os imigrantes de países periféricos e delinqüentes de baixa renda.
No Brasil, a mídia burguesa há muito tempo trabalha a idéia de que estamos numa verdadeira guerra, fazendo sutilmente a apologia da repressão. Sentimos isso de perto. Quantas vezes já vimos pessoas nas ruas querendo linchar um ladrão amador, pego roubando alguma coisa de alguém? Quantas vezes ouvimos, até de trabalhadores, que "bandido tem que morrer"?
Se não reagirmos, daqui a pouco a classe média vai para as ruas pedir mais BOPE e menos direitos humanos e, de novo, fazer o jogo da burguesia, que quer exterminar os pobres, que só criam problemas e ainda por cima não contam na sociedade de consumo. Daqui a pouco, as milícias particulares vão se espalhar pelo país, inspiradas nos heróicos "homens de preto", num perigoso processo de privatização da segurança pública e da justiça. Não nos esqueçamos do modelo da "matriz": hoje, os mais sanguinários soldados americanos no Iraque são mercenários recrutados por empresas particulares de segurança, não sujeitos a regulamentos e códigos militares.
Parafraseando Bertolt Brecht, depois vai sobrar para nós, que teimamos em lutar contra o fascismo e a barbárie, sonhando com um mundo justo e fraterno.
A trilha sonora do filme já avisou:
"Tropa de Elite,
Osso duro de roer,
Pega um, pega geral.
Também vai pegar você!"
-- Um outro mundo é possível. um outro Brasil é necessário!

FALANDO DE HISTORIA




1.Faço minhas as palavras do Editorial do Jornal Brasil de Fato:

Se o governo estivesse preocupado com a qualidade das estradas, caberia a pergunta: por que os recursos da Cide são desviados de sua finalidade? 17/10/2007
Editorial Brasil de Fato (ed. 242)
Um novo avanço da agenda neoliberal. Esse é o significado da privatização de sete trechos de rodovias federais, efetuada no dia 9. Cerca de 12 mil quilômetros de estradas foram entregues a grupos privados. Só a transnacional espanhola OHL ficou com cinco rodovias; a conterrânea Acciona comprou uma; e a BRVias, única empresa brasileira, adquiriu outra. Os grupos privados foram contemplados com o direito de explorar 36 postos de pedágio em vias importantes como a Fernão Dias – que conecta São Paulo a Belo Horizonte – e a Régis Bittencourt – São Paulo a Curitiba.

Ao ser informado sobre o desfecho do leilão pela ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), o presidente considerou o resultado “espetacular”. Resta perguntar a Lula – para quem esse resultado foi “espetacular”? As empresas, sabemos, saíram satisfeitas. Pagaram pelas rodovias menos do que vão receber em lucros durante 25 anos controlando pedágios. É a simples lógica capitalista, com a questão particular de que, aqui, não há competição nem disputa de mercado: pedágio em rodovia é receita garantida. Já o povo vai pagar tanto pelo investimento a ser feito nas rodovias como pelo enriquecimento dos acionistas neste um quarto de século.

O desfecho no processo de privatização de rodovias federais, iniciado há dez anos pelo governo tucano de Fernando Henrique Cardoso, evidencia como a gestão petista vem assumindo a agenda neoliberal. Contraria até mesmo o discurso de Lula que, em meio à campanha pela sua reeleição em 2006, condenou as privatizações. E por que o seu governo pode dilapidar o patrimônio público?

O debate dos projetos está rebaixado a tal ponto que o “enfrentamento” entre o governo Lula e seus críticos tucanos se restringe apenas a discutir quem é o melhor gerente. O governo petista garantiu um preço nos pedágios mais barato – negociou valores de até R$ 0,02 centavos por quilômetro para as rodovias federais. Nas rodovias privatizadas de São Paulo pelo governo tucano, os usuários pagam até R$ 0,12 centavos por quilômetro rodado.

A questão, no entanto, é bem mais ampla. A privatização das rodovias, em ambos os modelos, segue o padrão de dilapidação do patrimônio público para benefício de alguns grupos privados. A manutenção e a qualidade das rodovias, nessa perspectiva, é o que menos importa. Caso esse fosse, sim, a real intenção dos governos, caberia a pergunta: por que os recursos da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide) são desviados de sua finalidade? Segundo o que determina a Constituição, o governo deveria utilizar parte da verba arrecada por esse imposto para investir em melhorias nas rodovias.

Ou seja, o povo brasileiro já paga pelo investimento nas estradas. No entanto, o governo desvia esse dinheiro – a maior para pagar os juros da dívida pública aos banqueiros – e as rodovias ficam abandonadas. Não é pouca monta. Só em 2006 a Cide arrecadou R$ 7,8 bilhões para os cofres públicos. Enquanto o governo vende as estradas com o descabido argumento de que não tem verba para fazer investimentos, a Procuradoria Geral da República pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) que proíba o mesmo governo de desviar os recursos da Cide.

Mas, como disse Lula, o resultado foi “espetacular”. É o que devem ter dito os acionistas da transnacional espanhola OHL. Simplesmente porque 70% dos gastos da empresa em manutenção e conservação dos cinco trechos arrematados no leilão serão financiados pelo BNDES. Dinheiro público.

É verdade que o governo Lula preconiza um Estado forte. Mas a pergunta é: um Estado forte para quem? A privatização das rodovias e o investimento financiado pelo banco público repetem a lógica das Parcerias Público Privada (PPPs), defendidas tanto pelo PT como pelo PSDB. O Estado se colocando como um financiador e garantidor dos negócios privados. Um eficiente gestor dos projetos capitalistas. E a privatização das rodovias é apenas o começo; a lista inclui grandes obras de infra-estrutura como as usinas hidrelétricas do rio Madeira e a transposição do rio São Francisco. Para quem duvida, é só pegar o próprio cronograma do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que registra: até dezembro de 2008, serão oferecidos ao setor privado negócios de R$ 30 bilhões.


NUESTRA AMERICA

Meu grande amigo e professor Lafayette me encaminhou esta matéria que eu acredito vale a pena ser lida por todos.

Korda por Ricardo Malta.

Em 14 de fevereiro de 1988, os jornalistas Ricardo Malta e Roberto Paneque mantiveram um encontro histórico com o fotógrafo cubano Alberto Korda. Malta estava na ilha fotografando para uma matéria especial para agência F4. Ele conheceu Roberto Paneque, jornalista cubano, que lhe introduziu Alberto Korda. Paneque sempre quis gravar uma conversa com o amigo Korda, que nunca concordou. Nesse dia Korda não se importou. Foram 8 horas de conversa, 2 garrafas de rum Havana Club e várias garrafas de Tropi Cola, a versão cubana da Coca-cola. Afinal Cuba Libre não faz mal a ninguém. Sem esquecer os puros, como os cubanos chamam um dos produtos nacionais, o charuto.
Ricardo Malta escreveu um texto especial para a PicturaPixel. Roberto Paneque liberou alguns trechos da entrevista que vai virar livro. O blog tem o prazer de oferecer aos seus leitores um dia histórico na vida de Alberto Korda, Malta e Paneque. PicturaPixel agradece a generosidade dos três. Boa leitura.

Uma conversa com Alberto Korda

É curioso pensar que as pessoas, quando vêm a foto do guerrilheiro Che Guevara, com aquela expressão messiânica e o olhar meio triste que o eternizou, nunca pensem que aquela imagem tem um autor. É como se ela sempre tivesse existido, feita sob medida para botons, cartazes, desenhos, grafites, “pop arts”, tatuagens, camisetas e gorros. Hoje são milhares os meios e os objetos em que lá está ela. São tantas as vezes que já a vimos, que sem querer, acabamos por considerá-la uma criação coletiva, uma apropriação inconsciente e oportuna, que serve sempre com perfeição, para manifestar indignação ou exaltar algum tipo de luta.
Mas a foto mais conhecida do mundo tem um autor. Seu nome, Alberto Korda, um fotógrafo cubano, que começou na profissão fazendo trabalhos em festas de aniversários e batizados e que, mais tarde, especializou-se em fotografia de moda e publicidade. Apesar do paradoxo de ter trabalhado para a burguesia cubana no final dos anos 50, ele não teve grandes conflitos em se adaptar ao novo regime e trabalhar, sem nunca ter se filiado ao partido comunista, para o êxito da revolução comandada por Fidel Castro.
Tive o privilégio de conhecê-lo durante uma viagem, a trabalho, que fiz a Cuba, em fevereiro de 1988. Uma tarde quando fotografava a Plaza de la Revolución, em Havana, vendo a enorme imagem de Che estampada em um prédio, perguntei `a jornalista que me acompanhava quem era o autor daquela imagem. Orgulhosa, me disse que era de um cubano, boa praça, que vivia na tranqüila província de Miraflores. Manifestei então, o desejo de poder conhecê-lo pessoalmente. Quinze dias depois, em uma festa na casa do Mayito, o grande fotógrafo de cinema Mario García Joya, conheci o jornalista do Granma Roberto Paneque, que sabendo do meu desejo se ofereceu para levar-me `a casa do Korda. Marcamos um encontro para o dia seguinte. Munidos de um gravador, câmeras fotográficas e duas garrafas do melhor rum cubano, chegamos `a simpática residência, onde passamos três inesquecíveis horas conversando os mais variados temas e sobretudo discutindo sobre aquilo que nos unia, a fotografia. Ao final da nossa conversa, das duas garrafas Run Havana Club e de muitos charutos, ele me presenteou com uma ampliação original e até aquele momento, exclusiva, da foto mais famosa do mundo com uma dedicatória muito carinhosa.








Sem cortes, revelando as bordas do fotograma, a ampliação é segunda imagem de uma seqüência das duas únicas fotos de Che feitas por ele naquele dia, que anos antes, depois de editada, correria o mundo e inspiraria multidões.





Ricardo Malta. Foto Stefan Kolumban


Em função do grau etílico em que me encontrava, não me espantei com a generosidade do presente, debitando a cumplicidade entre companheiros de profissão. O mesmo não aconteceu com Roberto Paneque, que imediatamente percebeu a preciosidade que eu havia recebido.Consciente, mais do que eu, que aquela não tinha sido uma entrevista qualquer, ele transcreveu cuidadosamente o material (parte dele veio comigo para o Brasil) e o transformou em um pequeno, mas valioso projeto de livro.

Chegando ao Rio e consumido pela vida que aqui continuava, guardei o presente, as fotos que fiz dele e a transcrição da entrevista, projetando planos futuros que nunca se concretizaram. Instigado pelo amigo Cláudio Versiani, para abrir o baú e divulgar este material no blog Pictura Pixel, por ocasião do aniversário de morte do Che, consegui localizar, 19 anos depois, Roberto Paneque, que agora vive em Madri. Para minha surpresa, Paneque já tinha o texto do livro pronto. Ele me disse que esperava um dia me localizar para que, juntos, pudéssemos divulgar este trabalho.

Mais do que o autor da foto mais vista do mundo, Korda me encantou pela sua fantástica personalidade, vontade de viver bem e pelo seu incrível desapego. Para um fotógrafo como eu, que passou boa parte da vida profissional dedicada à luta pelos direitos autorais, fazendo parte da primeira experiência bem sucedida de agência fotográfica no Brasil, a F4, foi uma lição de vida poder entrar em contato com sua filosofia, tão peculiar.

Korda morreu “coerentemente” em Paris, em maio de 2001, antes disso passou pelo Rio, mas não pude encontrá-lo. Ficou a mágica lembrança daquela tarde em Miraflores que hoje divido com vocês.RICARDO MALTA
ENTREVISTA
Leia a seguir alguns trechos da conversa e algumas frases de Korda. Numa tradução livre, o fotógrafo Alberto Korda fala sobre o início de sua carreira, como se transformou no fotógrafo do Comandante Fidel, sobre Cuba e a revolução e claro, sobre sua foto, Che Guevara, o ícone.
…Comecei a produzir fotografias para a publicidade cubana que hoje nao têm merito nenhum. Naquela época a profissão de modelo era maldita em Cuba. Lá pelos anos 50 só se podia contar com mulheres de má reputação ou prostitutas.

…Quando a revolução triunfou eu tinha um nome na fotografia publicitária, mas nunca havia feito jornalismo…

…Dois ou três meses depois de 1 de janeiro (data da Revolução Cubana), Fidel organizou uma viagem `a Venezuela para conhecer Romulo Bittencourt e Wolfgang Larrázabal para agradecer-lhes a ajuda prestada `a guerrilha.

`A Venezuela foram 2 aviões, o de Fidel e o dos jornalistas. O jornal Revolución, do Movimento 26 de julho, me escolheu junto com Raul Corrales para que fosse um dos fotógrafos do jornal. Parece que Fidel gostou do meu estilo de trabalho fotográfico. Até 1968 o próprio Fidel me convidava para suas viagens. Me mandava buscar em casa ou chamava por telefone…

Realmente nunca fui o fotógrafo oficial de Fidel, eu mantinha o meu status como fotojornalista da Revolução, mas vinculado ao Comandante em chefe. Com Fidel estive 10 anos. A primeira vez que vi Fidel falando foi em 8 de janeiro de 1959. É o famoso discurso em que as pombas brancas pousam no ombro de Fidel. Foram quase 4 horas de discurso…

…Sou honesto. Até esse momento eu considerava Fidel como um homem heróico, idealista, mas eu não tinha grande confiança nele. Quando vi Fidel fazer esse grande discurso, disse para mim: este é o homem que vai mudar este país. Os acontecimentos me deram razão.

…Tive a honra de viver a noite dos mísseis nucleares ao lado de Fidel. Essa noite vi realizado o meu ideal. Talvez seja um pouco romântico, mas essa noite foi decisiva para mim como homem, estar aí ao lado de Fidel Castro. A noite da guerra nuclear…sabia que a minha vida e a vida da minha mulher e de meus filhos estava a ponto de se acabar. Fidel teve a dignidade de dizer: os ianques não vão vencer os cubanos.”( Korda usa uma expressão cubana que significa que nada seria fácil para os americanos ). Isso foi o detonador que me fez mudar radicalmente a minha vida pela causa revolucionária e por Fidel…

…Fidel me disse: siga-me! E fomos a um lugar perto do Bosque de La Habana, onde passamos a noite. Nunca vi Fidel assim. Ele disse bem claro: “se vão lançar os foguetes, que lancem, se vão nos fazer desaparecer do mapa, que nos façam. Isso aqui não é o Congo e nem eu sou Lumumba” (Patrice Lumumba, revolucionário que lutou na guerra colonial do Congo. Lumumba foi eleito Primeiro Ministro mas só ficou no poder 10 semanas. Ele foi deposto por um golpe de estado e assassinado).

…Quando me olho no espelho e vejo minhas rugas, digo para mim mesmo: somos um povo incrível. Estamos aqui há 30 anos e os filhos da puta dos imperialistas americanos, não se atreveram a desembarcar nenhum marine em nossas praias. Eles fazem isso aonde querem, em Santo Domingo, em El Salvador, mas aqui não…

…Se tivesse 30 anos de idade novamente, a única coisa que mudaria, seria a minha câmera fotográfica por uma de vídeo.

Eu sou um solitário, um personalista, sou eu e minha câmera. A câmera é um prolongamento da minha mente. Ela capta o que minha mente vê.

…O coração é a grande decisão do ser humano. Fidel com 12 homens derrotou um exército profissional porque tinha o coração guiando a sua mente.

…Che Guevara, na Bolívia, com sua mente e seu coração converteu-se em herói da humanidade.

Roberto Paneque pergunta: O que você sente quando vê sua foto publicada em buttons, selos e camisetas em todo o planeta?
Penso que Che foi um sujeito excepcional e que eu tive a sorte, por casualidade, não por talento, de ter feito a imagem que transmite a personalidade de Che Guevara. Eu estava trabalhando com minha Leica e uma lente de 90mm, fotografando as pessoas num palanque onde Fidel ia discursar. Era um ato de protesto contra a CIA, que havia sabotado e explodido um navio no porto de Havana, que nos custou mais de 100 vidas.
Depois de fotografar a multidão e as caras tristes das pessoas, passo então a fotografar pessoas do governo que estão no palanque. Vejo um espaço vazio e diante de mim aparece a figura do Che. Eu disparo uma foto, quase assustado, por ver aquela imagem no visor de minha câmera. Foi um movimento instintivo do subconsciente. Ponho a câmera na posição vertical e faço uma segunda foto. Dois negativos. Imediatamente Che se retira do palanque e fica para sempre a imagem que vocês conhecem.
Volto do ato político, revelo o filme, faço os contatos, dou uma olhada e digo: boa foto do Che! Imprimo uma cópia e levo para o jornal. A foto da capa foi Fidel com 2 granadas na mão, mostrando ao povo. Não publicaram a foto do Che, não chamou a atenção dos editores.No dia seguinte olho a foto de novo e penso: a verdade é que Che tem uma expressão nessa foto que é a (minha) imagem do caráter dele, de sua determinação, do seu olhar em direção ao futuro. Coloquei a foto na parede do meu estúdio para que pudesse admirá-la como fotógrafo. Um dia, Haydée Santa Maria (revolucionária e guerrilheira, companheira de Che e Fidel), muito sensível e admiradora de Che me disse: Korda, que boa foto do Che! Você gosta, Haydée? E ela me diz: você quer me presentear uma cópia? Eu respondo: para mim é uma honra…
…Eu não sabia quem era Feltrinelli (Giangiacomo Feltrinelli, dono da editora italiana que leva seu nome), para mim era só um italiano. Ele me pediu duas cópias da foto e me perguntou: quanto é ? Eu disse, nada. Você é amigo da companheira Haydée Santamaria. Eu dei a foto para Feltrinelli porque não estava numa atividade comercial e não me interessava o que ele ia fazer com a foto.

…Depois vem a prisão do Che na Boliívia e pela primeira vez se utiliza a foto em proporções gigantescas no prédio do Ministério do Interior, servindo de fundo para o discurso de Fidel na Praça da Revolução, sobre a morte do Che.

Nesse momento histórico (1967) na Europa e em todo o mundo, para a juventude, marxista ou esquerdista, anarquista, burguesa, milionária, a figura do Che é o símbolo de uma época. Esse homem faz um poster com a foto e vende um milhão de cartazes a 5 dólares cada um, em menos de três meses. 5 milhões de dólares !

…Nunca me perguntou nada, nunca me pagou nada e nem consultou sobre nada de nada. Eu também nunca lhe perguntei nada, porque eu havia dado a foto para ele.

Em 1987, Grazia Neri (dona da agência italiana de fotografia que também leva seu nome) uma das mulheres que dominavam a fotografia de imprensa no mundo ocidental me disse: “Korda, assine este documento dizendo que a foto é nossa (da agência) e eu te garanto US$250.000. O resto é meu.”
Eu lhe respondi: Não quero entrar em polêmicas comerciais com esta foto. Se fosse uma outra foto minha, mas com a foto do Che, não. Eu me dou por satisfeito pelo que Feltrinelli me transformou. Eu era fotógrafo de moda, que depois retratou a revolução, eu me sinto famoso de passar `a posteridade com uma obra minha, graças a ele.Eu sei que 100 anos depois da minha morte vai ter gente olhando essa foto.

Me dá orgulho como ser humano……Ter nascido nessa época e ter coincidido com estes heróis da Revolução Cubana, tanto Fidel como Che e os outros que conheci.
Korda finaliza a conversa com a sua concepção do que seja a fotografia.
“A fotografia é a transmissão de uma idéia e como sempre vão nascer homens que têm idéias para transmitir. Uns poderão fazê-lo através da pintura. Outros, esculpindo um pedaço de pedra ou deformando um metal. Mas sempre vai existir um indivíduo capaz de reproduzir a realidade. Uma realidade aparente para todos, mas que as pessoas não são capazes de selecionar, de abstrair. Esse é o trabalho do fotógrafo.
Vida longa, Alberto Korda.


INTERNACIONAL

1. Noticias da Guerra
O tema é o Irã, mas por trás disto transparece que a ação da OTAN continua sendo a de cercar a Rússia, e a desta a de se defender a qualquer preço. Bem vindos sejamos nós a esta nova versão da Guerra Fria. > LEIA MAIS Internacional

2. A verdadeira verdade inconveniente

Sem mudanças efetivas, podem até dar a Al Gore o prêmio da Fifa de melhor jogador (ele já tem o Oscar e o Nobel) que não vai adiantar nada e nós seguiremos firmes na rota de colisão em que o atual sistema econômico colocou a humanidade e o planeta.
Maurício Thuswohl
A concessão simultânea do Nobel da Paz ao ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, e ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, na sigla em inglês) foi recebida com muita festa pela grande mídia em todo o mundo e, em particular, no Brasil. O reconhecimento pelo Prêmio Nobel de que a luta contra o aquecimento global é um fator fundamental para garantir a paz planetária, afirmam a maioria dos artigos e reportagens, é mais um importante indicador de que o mundo se prepara para enfrentar e superar a crise ambiental.
Isso seria lindo, se fosse verdade. O problema é que, para além das inúmeras declarações de boa intenção ou dos anúncios de severas metas para deter o aquecimento global realizados por alguns governantes, muito pouco tem sido feito na prática. Nesse contexto, o Nobel para Gore e o IPCC e o decorrente oba-oba na imprensa mundial podem acabar engrossando ainda mais a espessa cortina de fumaça ideológico-propagandista que dificulta o verdadeiro enfrentamento do problema.
Gore e o IPCC têm seus méritos e, cada um a seu modo, cumpriram recentemente um papel relevante na divulgação da crise climática. O IPCC, criado há 19 anos no âmbito da Organização Meteorológica Mundial (OMM) sempre foi solenemente ignorado pela sociedade e pela própria ONU. Os três relatórios que o painel de cientistas produziu em 2007, no entanto, coincidiram com a percepção mundial de que o aquecimento global já se faz sentir e tiveram o mérito de tirar a discussão sobre as mudanças climáticas do círculo restrito formado pela academia e pelo movimento socioambientalista.
O mesmo se pode dizer de Al Gore que, com seu filme “Uma Verdade Inconveniente”, fez aquela que talvez seja a mais bem-sucedida propaganda sobre os perigos do aquecimento global que já foi levada maciçamente ao conhecimento do cidadão médio, sobretudo o alienado cidadão médio de seu país. É, de fato, uma contribuição e tanto, apesar de algumas falhas existentes em seu filme (que não pretendo comentar aqui). Além disso, não se pode chamar Gore de oportunista, pois desde que surgiu como senador no início dos anos noventa, ele teve na preocupação ambiental um dos pilares de seu discurso político.
Feitas essas ressalvas, vamos a outros fatos que merecem ser analisados. O primeiro deles é que a comissão julgadora do Nobel, mesmo sendo majoritariamente composta por europeus, se consolidou nos últimos anos como um pólo de combate ao governo de George W. Bush e à doutrina por ele difundida. Isso foi determinante para a inclusão de Gore na premiação, que inicialmente estava entre o IPCC e os monges budistas de Mianmar. Vale lembrar que a comissão do Nobel já havia dado uma bela bordoada no governo republicano dos EUA ao conceder em 2002 o prêmio da paz ao ex-presidente Jimmy Carter, também do Partido Democrata.
Não é nenhum pecado bater no governo Bush, muito pelo contrário, mas cabe refletir se a premiação do Nobel da Paz este ano trará conseqüências concretas para além das próximas eleições nos Estados Unidos. É claro que uma mudança de orientação política na maior potência econômica mundial terá reflexos nas discussões multilaterais, mas a simples vitória democrata nas eleições presidenciais não assegura o fundamental, que é a mudança dos padrões de produção e consumo nos países mais ricos, EUA à frente.
Jogo de cena
Essa mudança é para ontem, mas, belos discursos à parte, ninguém parece se mexer muito para “salvar o planeta”. A engrenagem de discussões multilaterais ao menos está se movendo, com uma série de reuniões de cúpula realizadas este ano e a realização da 13ª Conferência das Partes da Convenção sobre Mudanças Climáticas da ONU (COP-13) que acontecerá em Bali (Indonésia) no mês de dezembro. O efeito prático dessas discussões que pretendem estabelecer uma agenda para a segunda fase do Protocolo de Quioto (após 2012), no entanto, ainda é uma incógnita.
Após uma semi-fracassada reunião do G-8 realizada em junho, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, anunciou em nome dos países mais industrializados a ousada meta de redução de 50% das emissões de gases provocadores do efeito estufa até 2050. Antes, a União Européia já havia anunciado a não menos ousada meta coletiva de 20% de redução até 2020. Tudo muito bacana, mas o diabo mora num detalhe: a maioria dos governos, seja no G-8 ou na UE, não aceitou que essas metas fossem vinculantes, ou seja, de cumprimento obrigatório. Assim sendo, o que existe por enquanto é um jogo de cena.
Ou não foi um mero jogo de cena o que fez Bush, ao convocar no mês passado uma “reunião de emergência” com os governos dos 16 países maiores emissores? Após três dias de blá-blá-blá, nenhuma proposta concreta foi apresentada. Falou-se muito em novas fontes de energia e na redução do uso de combustíveis fósseis, mas essa discussão se deu claramente no sentido de assegurar que os EUA poderão contar com os fiéis aliados de sempre na expansão da produção do etanol que, como Bush adora repetir, irá “dar segurança energética” à grande nação norte-americana nos anos vindouros.
É aí que mora o perigo, pois esse discurso, adotado tanto pelos republicanos quanto pelos democratas, prova que os EUA não estão dispostos nem mesmo a iniciar a discussão sobre uma eventual modificação de seus modos de produção e consumo. Se essa mudança não acontecer, podem até dar a Al Gore o prêmio da Fifa de melhor jogador (ele já tem o Oscar e o Nobel) que não vai adiantar nada e nós seguiremos firmes na rota de colisão em que o atual sistema econômico colocou a humanidade e o planeta. Essa é a verdadeira verdade inconveniente.
Maurício Thuswohl é jornalista. (Agência Carta Maior)
Para muitos, a China alcançará os Estados Unidos nos anos 40 deste século e se tornará a maior potência econômica do planeta. Há quem duvide e aponte tambem as fragilidades do país que cresce 10% ao ano: desigualdade, falta de água, corrupção. Menos de 15% dos rios têm níveis aceitáveis de poluição. Já há centenas de milhares de milionários, mas 700 milhões de cidadãos sobrevivem com menos de dois dólares por dia
Leia em:
http://terramagazine.terra.com.br/interna2/0,,OI2012237-EI10521,00.html


NOTICIAS

1. Enviado pela professora Mônica:

XIV Congreso de la Sociedad Española de Historia de la Medicina,
Granada, 11 al 14 de junio de 2008.
El Congreso se convoca en torno al tema central de "La experiencia de enfermar en perspectiva histórica". Las propuestas de Comunicaciones y Mesas Temáticas se remitirán, exclusivamente por vía electrónica, a la Secretaría Técnica del Congreso [gestac@congresosge stac.es], indicando en el asunto: Congreso SEHM.
Envío de propuestas de Comunicaciones
Las propuestas de Comunicación se ajustarán al siguiente modelo: Título, Autor(es); Afiliación institucional; Dirección postal y electrónica; Texto de entre 400 y 600 palabras, donde se exponga con claridad el objeto del trabajo y las fuentes y/o métodos empleados, así como alguna bibliografía pertinente del mismo autor o autores si la hubiere. La fecha límite para envío de propuestas de Comunicaciones se ha extendido al 20 de octubre de 2007.
Envío de propuestas de Mesas Temáticas
Las propuestas de Mesa Temática se harán como sigue: Título, Organizador( es); Afiliación institucional; Dirección postal y electrónica; Texto en torno a 400 palabras, donde se exponga con claridad el objeto de la sesión conjunta y su importancia, más relación de Comunicaciones que la componen, aportando de cada una los datos que se indican en el apartado "propuestas de Comunicación" . La fecha límite para envío de propuestas de Mesas Temáticas es el 10 de noviembre de 2007.
La aceptación de propuestas se hará pública antes del 14 de diciembre de 2007
Inscripciones Hasta el 31 de enero de 2008
Personas Socias de la SEHM 200 euros Estudiantes y doctorandos 100 euros Personas no pertenecientes a la SEHM 220 euros
Desde el 1 de febrero de 2008 Personas Socias de la SEHM 300 euros Estudiantes y doctorandos 150 euros Personas no pertenecientes a la SEHM 330 euros
Boletines de inscripción, información y reservas de alojamiento a travésde la Secretaría Técnica del Congreso: CONGRESOS GESTAC, gestac@congresosges tac.es
http://www.congreso sgestac.es
Palacio de Congresos, Local nº 6. C/ Paseo del Violón, s/n. 18006 Granada Telfs. 958 132949, 958 183339 Fax 958 134480 Información general del Congreso en:
http://www.ugr. es/~hciencia/ congresoSEHM/ index.htm
2. No dia 11/10/2007 foi aprovada a dissertação de Ricardo de Lorenzo, "'E aqui enloqueceo' - a alienação mental na Porto Alegre escravista (c.1843-c.1872), orientada pela Profa.Dra. Regina Xavier, no Programa de Pós-Graduação em História da UFRGS. A banca, presidida pela orientadora, foi composta por Helen Osório (UFRGS), Tânia Salgado Pimenta (ISC/UFBA) e Nikelen Acosta Witter (UNIFRA).

O trabalho é constituído por uma extensa pesquisa em fontes primárias (sobretudo os registros de entradas de doentes da Santa Casa da Misericórdia de Porto Alegre) e historiográfica sobre loucura, saúde e escravidão.

3. Domingo, dia 28, em Nova Lima (MG), em frente à Igreja do Rosário, será realizada a tradicional Festa do Rosário, com Guardas de Congado e Marujada.

4. II Seminário de História do Açúcar: Trabalho, População e Cotidiano
Para discutir o tema Trabalho, População e Cotidiano são convidados os pesquisadores do Brasil e do exterior, com o intuito de estimular o diálogo e a troca de experiências.

De: 11 a 15 de novembro de 2007

Local: Centro de Estudos do Museu Republicano “Convenção de Itu”
Rua Barão de Itaim, 140 cep. 13.300.000 - Itu (SP)

Mais Informações: Fone/fax: (11) 4023.2525
acucar2007@gmail.com


5. Exposição “Coleção Nemirovsky”
Apresenta mais de 100 obras da Fundação Nemirovsky. Fiel ao “olhar do colecionador”, o conjunto de trabalhos abre espaço para as relações do modernismo com o passado colonial, os mestres europeus e com a cultura popular.

Até 03/2008. Terça a domingo, das 10h às 18h.
R$ 4 e meia-entrada. Grátis aos sábados.
Local: Estação Pinacoteca Lgo. Gal. Osório, 66. Metrô Luz São Paulo - SP

Mais informações: Telefone: (11) 3662-7198


6. O Museu Abílio Barreto, em Belo Horizonte, convida para palestra Inventários post-mortem.Retrato de uma sociedade. Estratégia patrimonial, propriedade senhorial, posse de escravos na comarca do Rio das Velhas (1780-1806).
Palestrante: Maíra de Oliveira Freitas
Dia 30 de outubro, 19 horas, no auditório do Museu, Av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim.
Entrada franca.

7. IX Encontro Nacional de História Oral
A Associação Brasileira de História Oral (ABHO) convida a comunidade acadêmica para participar do IX Encontro Nacional de História Oral -Testemunhos e conhecimento, a realizar-se nos dias 22 a 25 de abril de 2008, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, em São Leopoldo, RS.Lembramos que os interessados deverão fazer sua inscrição pelo próprio site.Todas as informações podem ser encontradas em









LIVROS E REVISTAS

1. A Editora da Universidade do Rio Grande do Norte acaba de publicar um importante livro para professores de história. Trata-se de uma coletânea de 20 artigos, de eminentes especialistas, divididos em 3 partes: 1) O livro didático de História: políticas educacionais, pesquisas e ensino; 2) A coleção de História; 3) O livro regional de História. O trabalho, intitulado “O livro didático de História: políticas educacionais, pesquisa e ensino” foi organizado por Margarida Maria Dias de Oliveira e Maria Inês Sucupira Stamatto, e pode ser pedido pelo email edufrn@editora.ufrn.br

2.


Nas bancas a edição do mês da revista Caros Amigos. Entrevista com Paulo Henrique Amorim. Artigos principais: Os tortuosos caminhos do caixa-2 – Em 30 anos, mais de 2 bilhões de pessoas estarão morando em favelas.


SITES E BLOGUES

1. Cobertura do escândalo do Zeca do PT: conseguimos em primeira mão a informação de que o ex-governador ainda vai enfrentar muitos processos civis e criminais por corrupção. E, apenas um dia depois de o Tamos com Raiva revelar isso, o Ministério Público impetrou, ontem, mais duas ações contra o petista. O esquema é idêntico: uso de serviços publicitários pra desviar dinheiro público com notas fiscais frias impressas por uma mesma gráfica fantasma. Já são R$ 368 mil comprovadamente desviados, num montante de R$ 30 milhões estimados. Conheçam a ponta do iceberg, em três artigos.

2. No capítulo 14 de Injustiçados, a história de nepotismo esquenta e sai do âmbito do Judiciário. Outro dia mesmo os vereadores de BH se viram expostos na mídia, que acaba fazendo o papel de Ari Portilho dos tempos modernos. Conheçam ainda, no capítulo anterior, os poderosos que, por serem os mais corruptos, colecionam mais medalhas e homenagens.
Leia em http://www.tamoscomraiva.blogger.com.br/

3. De que democracia hablamos? Rudá Ricci, conhecido sociólogo, inicia um debate a respeito dos rumos da democracia na América Latina. Publicou a primeira parte no número 77 da Revista Espaço Acadêmico e a segunda parte será publicada no numero 78. É longo, mas vale a pena ser lido.
Leia em: http://www.espacoacademico.com.br/077/77ricci.htm

3. Também no numero 77 da Espaço Acadêmico, outros artigos muito bons para os professores de História:
a) Formação de professores e ensino de História: perspectivas e desafios
http://www.espacoacademico.com.br/077/77cerezer.htm

b) A sala de aula ao vivo e em cores: contribuições da Prática de Ensino
http://www.espacoacademico.com.br/077/77vieira.htm

c) Ascensão e declínio das grandes potências
http://www.espacoacademico.com.br/077/77rattner.htm


4. Já pode ser acessada a Revista ArtCultura, da Universidade Federal de Uberlândia, no site http://www.artcultura.inhis.ufu.br/atual.php
Vários artigos disponíveis na revista on-line, outros só na edição impressa.

5. http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/
Este é o endereço da Revista Histórica, do Arquivo do Estado de São Paulo. O número de outubro está no ar. Artigos principais: Trabalhadores e os doutores da lei – Escravos no novo oeste paulista – Furiosos e incuráveis: os loucos da Santa Casa de Pelotas.

6. http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?sec=5&type=s&lg=
Na revista da Fapesp muitos artigos interessantes. Na área de Humanidades, temos: Cultura: a (in)digestão do Tropicalismo – História Oral: a história ensinada pelos alunos – Entre a feijoada e o chucrute: partido nazista no Brasil foi se amolecendo, se abrasileirando, se tropicalizando...

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial