Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

17.3.10

Numero 226





Leitores e leitoras: O final da semana passada e o inicio desta foram excessivamente atribulados, em função, principalmente, de obras que estão sendo feitas em casa. Assim, o tempo que me sobrou para preparar este boletim foi mínimo.
Peço desculpas, mas não deixaria de postar, a partir, principalmente, das colaborações que me foram enviadas.
Espero poder voltar a fazer comentários maiores a partir do próximo.
Obrigado pela compreensão

Uma antiga foto (provavelmente do grande fotografo Malta) nos mostra como era o Corcovado antes da construção da estátua do Cristo.




Guilheme Souto envia este pequeno, mas importante, comentário de Rudá Ricci sobre a educação brasileira:

Dados do Censo Escolar obtidos pelo iG com exclusividade mostram que 1,4 milhão de crianças e adolescentes largaram o ensino fundamental em 2008. Eles representam 4,4% dos 32 milhões de estudantes matriculados nessa etapa da educação básica naquele ano. O índice é o menor da década. Em 2000, 12% dos estudantes matriculados no ensino fundamental abandonaram os estudos. O maior gargalo está no 6° ano: 287.760 alunos abandonaram os estudos nessa série, o que representa 6,8% dos 4.231.765 matriculados na etapa. É justamente o período de transição entre os anos iniciais e os finais do ensino fundamental. Para os especialistas, essa é uma fase de inúmeras mudanças na vida da criança, que nem sempre é superada sem traumas.
A organização educacional dos anos iniciais é muito diferente da dos anos finais. Mais disciplinas, mais professores, mais exigência e menos afeto. Esse é o cenário que os estudantes precisam encarar.
Nós, educadores, alertamos para este grave problema e do erro grosseiro de se pensar na fragmentação em disciplinas. O melhor sistema é o que integra áreas de conhecimentos, com relação mais próxima professor-aluno. A educação infantil é muito superior ao ensino médio do ponto de vista pedagógico. Até estudos da neurologia comprovam isto. E há quem ainda insista no sistema de seriação, com forte fragmentação entre disciplinas.

Ele também nos envia esta outra colaboração:

Desafios da prática pedagógica do educador do século XXI: o educador que ousa e acredita

“O século XXI nos obriga a repensar uma nova forma de educar, uma nova forma de ver a instituição educativa, e os que trabalham nela. Que nova educação será essa? O que devemos manter e o que devemos abandonar da educação atual”? (F.Imbernón 2000).

Acredito no discurso contemporâneo, renovado e idealizado para a educação do século XXI, perpassando por um momento de descobertas e parceria, sentimentos arrojados de autonomia, afetividade e reconhecimento do outro, respeito pelo outro, atrelados a um projeto de vida que entende a educação como solução, solução para reconstrução de um País letrado. A busca do sonho, da esperança e da paixão de formar são temas de grande valia, no desabrochar daquele educador (a), que acredita em uma educação de qualidade. Vamos resgatar este educador que está ainda adormecido dentro de cada um de nós, que sofre com a falta da valorização, do respeito e da dignidade por aquele que é também responsável pela educação deste País.

A desumanização com este profissional vem a galope, a falta de reconhecimento leva a um desgaste, irreparável, com danos de mão dupla, entre educador e educando. A globalização, as novas tecnologias, a inclusão digital, e o desenvolvimento sustentável cobram do educador e da educadora questões de grande complexidade. Entre elas, competências habilidades e liderança, utilizadas como base para uma gestão democrática, que vislumbra uma equipe coesa com objetivos comuns, “aprender a aprender”. Cabe a este profissional buscar sua formação continuada, especializar-se na sua área de atuação, atualizar-se com as inovações tecnológicas e saber cuidar, cuidar de si e do outro visualizando uma perspectiva planetária.

Guiomar Mello descreve que todos que trabalham na área de formação de professores parecem estar convencidos de que as reformas que visam à melhoria da educação básica somente terão sustentação a médio e a longo prazo se existirem professores preparados e comprometidos com a aprendizagem dos alunos.

Devemos acrescentar que este processo parte de uma reflexão mais ampla, abrindo uma discussão sobre currículo e formação, visualizando uma demanda de profissionais que a cada ano saem das Academias, com uma formação defasada, desassociada do contexto teoria e prática para a realidade de uma sociedade contemporânea.

O professor, a professora, o educador e a educadora do século XXI vivenciam uma trajetória acadêmica de formação continuada, sem projeção, ambição ou determinação, para ele, ela, e o seu objeto de estudo. Louvamos aquele (a) que acredita na educação enquanto processo de transformação. Devemos definir este profissional como um ser pensante, um intelectual orgânico que processa uma cadeia de saberes entre educador e educando, baseados em competências.

Priorizamos o profissional que faz da sua prática um exercício de construção de conhecimento, que ousa, que faz a diferença, que estimula as relações intrapessoais e interpessoais no seu cotidiano escolar. Aquele que não usa a avaliação enquanto instrumento de poder, e sim, como um processo pedagógico, ético e dialógico.

Ler, interpretar, criticar e construir são verbos que aplicados nesta ordem podem definir a trajetória de um educador (a) que acredita no seu potencial de análise, um visionário que constrói o seu caminho, que vive no mundo da educação, com a paixão de formar. E sendo formando, com a paixão de viver sua sala de aula como um lugar de aprendizagem, afetividade, compartilhado do desempenho de cada aspirante ao desafio da prática docente. O desejo maior é que estes educadores (a) continuem a disseminar a paixão de ensinar.

Ousar na sua prática pedagógica faz parte do desempenho do educador (a) do século XXI; ele acredita no seu potencial, ele busca novas metodologias, ele sabe ouvir, dar autonomia ao educando, ele é criativo, amoroso, afetivo, comprometido com o processo educacional e com a esperança de mudança. Mudança que se faz necessária na formação e atuação do educador (a). E fica a pergunta, qual o seu legado?

Texto de Rosa Costa, educadora, pedagoga, mestranda e especialista em Recursos Humanos, enviado ao Jornal Virtual. E-mail: rosacostaf@ig.com.br.

X Encontro Nacional de História Oral





Mostra apresenta vídeos e perspectivas sobre transporte coletivo
por Admin última modificação 12/03/2010 14:10
"A Ilusão Paga Passagem" será exibida em São Paulo em abril, com enfoque no direito da população ao espaço urbano
Veja detalhes em:
http://www.brasildefato.com.br/v01/agencia/cultura/mostra-apresenta-videos-e-perspectivas-sobre-transporte-coletivo/view



Mais informações no site http://www.ce.anpuh.org/apresentacaoencontro.htm



Você viu esse vídeo?

Bom demais!!!
Assista que é sensacional!!!
Últimos dias de Hitler?
http://www.youtube.com/watch?v=FjMi9gWuDTI




Mais informações http://www.fafich.ufmg.br/escravidao/VSimposio/index.html





"Utopia e barbárie" chega aos cinemas em abril

Outra imagem do Corcovado antes da construção do Cristo.



Os EUA estão doentes
Os EUA são o único país do mundo desenvolvido em que a saúde foi transformada em mercadoria e o seu provimento entregue ao mercado privado das seguradoras. Os resultados são assustadores. 49 milhões de cidadãos não têm seguro de saúde e 45 mil morrem por ano por falta dele.
http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=4564&boletim_id=657&componente_id=10974





Alguns bons motivos para ler o Café História:

MISCELÂNEA

Um Passeio Completo pela Cultura

Instituto Moreira Salles reúne acervo privilegiado da cultura brasileira, passando por importantes nomes da música, da fotografia e da pintura

GRUPO DE ESTUDO EM DESTAQUE

Faça parte do Grupo "Imaginação e Imaginário Social", espaço no Café História criado por Diogo Nunes: http://migre.me/oEi5

CAFÉ EXPRESSO NOTÍCIAS

Extrema direita alemã procura conquistar jovens
Professor examina como alemães construíram nova nação após fim do nazismo

DIVULGAÇÃO PATROCINADA

Esteja onde estiver: é possível fazer uma pós-graduação em História Contemporânea a distância. Veja o que a PUC-RS está oferecendo para você aprimorar sua formação.http://migre.me/oEfT

CINE HISTÓRIA

"Ilha do Medo": Scorcese volta anos 1950 para contar uma história de terror e suspense com Leonardo DiCaprio.

GALERIA CAFE

Homenagem do Café História a Glauco, cartunista da Folha de S.Paulo, assassinado na última semana.

VÍDEOS

Arquivo Público do Estado do Espírito Santo Programa Conexão Geral
Revolução dos Cravos, Portugal Lembrando o 25 de Abril
Frei Tito Documentário TV Cultura
Mesopotamia Sumerians, First Civilization on Earth
Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network





Curso
Para onde caminha a América Latina?
O Espaço Cultural Diálogos do Sul em parceria com o Memorial da América Latina promovem o curso “Para onde caminha a América Latina? História e conjuntura” que será ministrado pelo jornalista Paulo Cannabrava Filho, autor do livro "No Olho do Furacão – A América Latina nos anos 70-80". O curso tem duração de dois meses com as aulas ministradas aos sábados, a partir do dia 27 de março, no Centro Brasileiro de Estudos da América Latina.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16440&boletim_id=656&componente_id=10953





3º Encontro Internacional de História Colonial - UFPE, 04 a 07 de setembro de 2010. Mais informações no site http://www.eihc2010.com.br/




O Portugal Medieval
Monarquia e Sociedade


Joaquim Manoel Godinho Braga Barradas de Carvalho (1920-1980) foi um intelectual militante contra a ditadura de Salazar. Em sua passagem pelo Brasil, ele nos ensinou a aprimorar uma pesquisa documental rigorosa, e nos aproximou dos clássicos portugueses. Por seu intermédio conhecemos as ideias de Jaime Cortesão, de Antonio Sérgio e de tantos outros escritores e pensadores portugueses. O historiador Joaquim Barradas ficaria no Brasil até 1970, deixando, ao partir, um legado: uma cadeira de História Ibérica e a disciplina de História Ibérica Medieval.
A partir das ideias e do legado de Barradas aprendemos a conhecer a documentação medieval da península ibérica. O historiador português despertou o interesse dos brasileiros para uma Idade Média mais próxima das nossas origens históricas -- e é deste encontro que nasceu a inspiração para um encontro de medievalistas brasileiros que se dedicam a estudar Portugal. O Portugal Medieval nos revela que os estudos sobre a Idade Média portuguesa são de fundamental importância para compreender o passado, que se reflete no presente brasileiro, na formação de muitas de nossas instituições, leis ou manifestações culturais. Desta maneira, quando os portugueses aportaram em terras brasileiras trouxeram consigo o peso da tradição medieval presente nas estruturas religiosas, na arte, na música, enfim, na cultura.
Compreender o Brasil moderno, portanto, implica em conhecer o Portugal medieval e esse livro carrega uma singular importância tanto para os pesquisadores, como para os interessados em ampliar seus conhecimentos sobre a cultura portuguesa e a cultura brasileira.

Livro: O Portugal Medieval
Autor: Carlos Nogueira (org.)
Edição: Alameda (11 3012-2400)
Preço: R$ 42 (304 páginas)
Os autores: Manuela Mendonça, Rodrigo da Silva Salgado, Maria Helena da Cruz Coelho, Ana Carolina Delgado Vieira, Augusto Ricardo Effgen, Armando Alberto Martins, Margarida Garcez Ventura, Débora Galvão de Santana, Maria Eurydice de Barros Ribeiro, Julieta Maria De Araújo, Bruno Soares Miranda, Katiuscia Quirino Barbosa, Clinio De Oliveira Amaral, Priscila Aquino Silva, Jonathan Mendes Gomes, José Rivair Macedo, Denise da Silva Menezes do Nascimento, Gracilda Alves, Sooraya Karoan Lino De Medeiros, Ana Carolina Lima Almeida, Osvaldo H. Leonardi Ceschin, Candice Quinelato Baptista Cerchiari






Irã: EUA miram no programa nuclear para alvejar o regime
Os recentes desenvolvimentos da questão nuclear iraniana fazem crer que o objetivo dos EUA e seguidores europeus não seria apenas impedir que o Irã possa produzir armas atômicas.
https://mail.google.com/mail/?shva=1#inbox/12753a9119018b4a






Três revistas nas bancas, e vale a pena comprar ou assinar:













Para descontrair (colaboração de Rosa Varella)

Esclarecimento sobre a Cadeia Econômica

Um viajante chega a uma cidade e entra num pequeno hotel. Saca uma nota de R$ 100,00, põe no balcão e pede para ver um quarto. Enquanto o viajante inspeciona os quartos, o gerente do hotel sai correndo com a nota de R$ 100,00 e vai até o açougue pagar suas dívidas com o açougueiro. Este, pega a nota e vai até um criador de suínos a quem deve e paga tudo. O criador por sua vez pega também a nota e corre ao veterinário para liquidar sua dívida. O veterinário, com a nota em mãos, vai até a zona pagar o que devia a uma prostituta. A prostituta sai com o dinheiro em direção ao hotel, lugar onde às vezes levava seus clientes e que ultimamente não havia pago pelas acomodações, avisa ao gerente que está pagando a conta, e coloca a nota em cima do balcão. Nesse momento, o viajante retorna da inspeção, pega sua nota de volta, agradece, diz não ser o que esperava e sai do hotel e da cidade. Ninguém ganhou nenhum vintém, porém agora toda a cidade vive sem dívidas e com o crédito restaurado, e começa a ver o futuro com confiança!

Moral da história:

"NÃO QUEIRAM ENTENDER ECONOMIA"


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial