Boletim Mineiro de História

Boletim atualizado todas as quartas-feiras, objetiva trazer temas para discussão, informar sobre concursos, publicações de livros e revistas. Aceita-se contribuições, desde que versem sobre temas históricos. É um espaço plural, aberto a todas as opiniões desde que não contenham discriminações, racismo ou incitamentos ilegais. Os artigos assinados são de responsabilidade única de seus autores e não refletem o pensamento do autor do Boletim.

31.3.10

Numero 229


Chamou a atenção a greve dos professores de São Paulo e o confronto com a Policia Militar. Pensei em escrever algo, mas confesso que a dificuldade foi grande, porque, no calor da hora e longe dos acontecimentos, fica difícil analisar o que aconteceu.
Por isso, recorri a imagens, colocadas no Orkut pela professora Marta, imagens chocantes, por sinal, e a um texto do Blog do Mello.
De qualquer forma, é impensável, em meu entendimento, uma demonstração de força tão grande com profissionais em greve (direito garantido constitucionalmente).
Publicamos vários artigos nos números passados, mostrando a dura realidade dos professores de São Paulo (e atrevo-me a dizer que nos demais estados não é diferente). Se as reivindicações forem tratadas da maneira como o foram... só temos a temer pelo futuro da educação. Cada vez mais, menos pessoas estarão interessadas em se tornar professores e a qualidade do ensino só irá piorar (se é que tem jeito de piorar...)




Blog do Mello
Se fosse no boxe seria: Queixo entra em confronto com luvas no ringue.
Agora, o resto da matéria porcalística. Repare que desde o título os professores são tratados como "grevistas", "de sindicatos ligados à CUT e ao PT", "manifestantes". Mas, no penúltimo parágrafo, já ficamos sabendo que "A partir da primeira palavra de ordem, os PMs obrigaram o grupo a recuar". E, no último, o texto afirma o oposto do que está no título. Os professores estavam parados e foram agredidos pelos policiais.

Ao inaugurar ontem à tarde uma unidade de atendimento de doentes mentais em Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), foi recebido com um protesto de professores grevistas da rede estadual — de sindicatos ligados à CUT e ao PT —, que gritaram palavras de ordem e até chamaram o tucano de ditador.
Cerca de 30 manifestantes entraram em confronto com um pelotão de 40 PMs, que usaram cassetetes, spray de pimenta e escudos para evitar que eles invadissem área restrita. Quatro professores foram presos. A categoria está em campanha salarial desde a semana passada.
Mesmo com um forte esquema de segurança, os manifestantes chegaram ao local da cerimônia, cercado por grades, onde Serra inaugurou o Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental. A partir da primeira palavra de ordem, os PMs obrigaram o grupo a recuar.
Quando os professores, que também levaram apitos, pararam de recuar, os policiais passaram a empurrá-los e o confronto começou.





























Artigo publicado nos Estados Unidos e traduzido para a América Latina. O autor é “codirector del Center for Economic and Policy Research (CEPR), en Washington, D.C. Obtuvo un doctorado en economía por la Universidad de Michigan. Es también presidente de la organización Just Foreign Policy.”

Campaña internacional en torno a elecciones Venezolanas ha comenzado

Por Mark Weisbrot


Este artículo fue publicado por el diario The Guardian Unlimited el 18 de marzo de 2010.

Venezuela tiene elecciones para su Asamblea Nacional en Septiembre y la campaña ha empezado en serio. Me estoy refiriendo a la campaña internacional. Esto se lleva a cabo, principalmente, a través de los medios internacionales; pero una parte se extenderá hacia los medios Venezolanos. Involucra varios oficiales públicos, especialmente en los Estados Unidos. El objetivo será generar la mayor cantidad de prensa negativa sobre Venezuela, desacreditar al gobierno, y deslegitimar las elecciones de Septiembre - por si a caso la oposición decide retirarse, como lo hicieron en las ultimas elecciones legislativas, o se niegan a reconocer los resultados si pierden.

No hace falta una conspiración, ya que todos los actores principales saben que hacer. De vez en cuando algunos no se aferraran al mensaje oficial por falta de coordinación. Un fascinante ejemplo de esto sucedió la semana pasada cuando el Senador John McCain intentó conseguir que le Gen. Doug Fraser del Comando Sur de los Estados Unidos respaldara sus acusaciones que Venezuela apoya actividades terroristas. En declaraciones ante el Comité Senatorial de las Fuerzas Armadas el 11 de Marzo, el general Fraser contradijo a McCain:

"Continuamos a observar la situación muy cuidadosamente… no hemos observado ninguna conexión especifica que pueda verificar que han habido relaciones directas entre el gobierno y redes terroristas."

¡Uy! Parece que a Fraser no le llegó la nota que el equipo Obama, no solo McCain, está en plena campaña contra Venezuela. El día siguiente emitió una declaración retractando su testimonio:

"Esta mañana hablé con el subsecretario Valenzuela [el más alto funcionario del Departamento de Estado para América Latina] sobre el tema de conexiones entre el gobierno de Venezuela y las FARC. Hay cero discrepancia entre nuestras dos posiciones, estamos de acuerdo completamente.

Hay clara y documentada evidencia histórica y actual de las relaciones entre el gobierno de Venezuela y las FARC… estamos directamente alineados con nuestros socios en el Departamento de Estado y la comunidad de inteligencia."

Es bueno saber que los Estados Unidos todavía ejerce control civil sobre las fuerzas armadas, por lo menos en el hemisferio occidental. Pero por el otro lado, sería aun mejor si la verdad tuviera valor en estas audiencias del congreso o en los círculos de política exterior de Washington en general. Los medios no se dieron cuenta de esta torpe y aparentemente forzada reversión por parte del general.

La "documentada evidencia histórica y actual" que menciona el general Fraser se refiere a materiales supuestamente provenientes de computadores portátiles y discos duros que las fuerzas armadas de Colombia supuestamente encontraron durante una incursión al Ecuador en 2008. No importa que estas son las mismas fuerzas armadas que han asesinado a cientos de adolescentes inocentes y vestido sus cuerpos en uniformes guerrilleros. Estos computadores seguirán siendo explotados para conseguir "evidencia" previamente no divulgada, la cual será utilizada en la campaña en contra del gobierno de Venezuela. Nos pedirán que asumamos que los "documentos capturados" son auténticos, y la mayoría de los medios lo harán

Los ataques hacia Venezuela de la Secretaria de Estado Hillary Clinton durante su reciente viaje a Sur América fueron la primera movida de la campaña. La mayoría de lo que seguirá es predecible. Habrán editoriales llenas de odio en los principales periódicos, encabezados por los editores neo-conservadores del Washington Post. Chávez será acusado de reprimir a los medios, a pesar de que la mayoría de los medios Venezolanos - medidos por audiencia - son controlados por la oposición. De hecho, los medios en Venezuela siguen mucho más en contra del gobierno que nuestros propios medios aquí en los Estados Unidos, o incluso en la mayoría del mundo. Pero los medios internacionales intentarán comunicar la imagen que Venezuela es Burma o Corea del Norte.

En Washington, DC, no puedo transmitir en una frecuencia de radio FM sin una licencia legal; me cerrarían la transmisión. Cuando esto sucede en Venezuela se reporta como censura. Aquí nadie investigará los detalles legales, especialmente los "expertos" y autores de editoriales, o hasta muchos de los reporteros.

La economía Venezolana estuvo en recesión en 2009, pero seguramente volverá a crecer este año. La prensa de negocios ignorará el crecimiento económico y exagerará la inflación, como lo han hecho durante los últimos seis años, cuando el crecimiento económico récord corto la tasa de pobreza por la mitad y la pobreza extrema por 70 por ciento (lo cual también fue ignorado). Resoluciones serán introducidas en el congreso de los Estados Unidos condenando a Venezuela por cualquier cosa.

El gobierno de los Estados Unidos seguirá inyectando millones de dólares en Venezuela a través de USAID, y se negará a publicar una lista de los beneficiarios. Esta es la parte no-clandestina de su financiamiento para la campaña dentro de Venezuela.

La única parte de esta historia que no es predecible es cual será el resultado final de la campaña internacional. Durante las ultimas elecciones legislativas en Venezuela en 2005, la oposición se retiró de las elecciones, con por lo menos apoyo tácito del gobierno de Bush. Intentando deslegitimar al gobierno, renunciaron la posibilidad de ganar por lo menos 30 por ciento de la Asamblea Nacional.

En ese entonces, la mayoría de los medios - y también la Organización de Estados Americanos - rechazaron la idea que las elecciones eran ilegitimas simplemente por ser boicoteadas por la oposición.

Pero eso fue bajo el gobierno de Bush, el cual perdió credibilidad acerca de Venezuela al haber apoyado el golpe de estado de 2002, y por otras razones. El resultado podría ser distinto bajo Obama.

Es por eso que resulta tan ominoso ver a este gobierno armando transparentemente y sin provocación una campaña para deslegitimar al gobierno de Venezuela antes de elecciones nacionales. Esto parece ser una señal para la oposición: "tendrán nuestro apoyo si es que deciden volver a una estrategia insurreccional," sea después o antes de las elecciones.

El Departamento de Estado está jugando un sucio y peligroso juego
.



Estou colocando aqui algumas fotos antigas (cuja autoria desconheço) de locais não identificados de São Paulo de antigamente. Gostaria de poder dar os devidos créditos, mas me encaminharam justamente com a observação de sua ausência. Se alguém souber, por favor, me avise para que eu possa fazer isso no próximo número.
O problema das enchentes é, pelo visto aqui e nas demais fotos, um problema antigo...




Prof. Ricardo
Li na edição 227 do Boletim Mineiro de História o artigo do filósofo Leonardo Boff intitulado “Pessimismo capitalista e darwinismo social”. Teria faltado explicar que foi Spencer que aplicou a teoria darwinista ao social e de forma imprópria. Prevalece aí a ideologia de que a empresa tem que lucrar muito, mesmo que para isso tenha que passar por cima da lei. Os proprietários desonestos, chamados de barões ladrões, usam uma retórica baseada na filosofia de Herbert Spencer e deturparam o conceito de Darwin com relação à sobrevivência dos mais aptos, tentando aplicá-la no funcionamento da sociedade humana, e não somente nos reinos animal e vegetal. Para eles, é natural que os homens mais fortes eliminem os mais fracos. Os ricos são ricos porque merecem sê-los e os pobres merecem outro destino por serem fracassados biológica e socialmente; incapazes de sobreviver na luta competitiva. Os meios de comunicação social e a sociedade em geral usam esse argumento para se posicionarem contra as reformas sociais, que para eles recompensavam os inaptos e prejudicavam os mais capazes. Para eles, as reformas exigiam impostos e os impostos oneravam os produtos.
Boff sabe que não é fácil contrapor-se ao capitalismo imperialista, pois ele próprio teve que se manter em silêncio e retirar-se da instituição política e religiosa a que pertencia. Manoel Zelaya, de Honduras, só porque propôs reformas de caráter social em seu país foi deposto e humilhado, como sabemos.

Belo Horizonte, 28 de março de 2010.


Antonio de Paiva Moura









Propostas para o ensino de Ciências Sociais
Segundo a Constituição em vigor, um dos objetivos da Educação seria a preparação do indivíduo para o exercício da cidadania. Dentre outros fins estipulados pela LDB, a educação superior deve estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente...
por NILSON NOBUAKI YAMAUTI
LEIA NA ÍNTEGRA:
http://espacoacademico.wordpress.com/2010/03/27/propostas-para-o-ensino-de-ciencias-sociais/



Sugiro também a leitura de:
A influência do(a) professor(a)
A leitura de Humano, demasiado humano, obra de Friedrich Nietzsche*, me fez pensar sobre a influência que os professores têm sobre os seus alunos. Nem me refiro à influência direta, escancarada e, em alguns casos, descaradamente doutrinária. Não! Penso na influência insinuante, quase imperceptível até mesmo para o professor, cuja origem está na reverência à autoridade...
por ANTONIO OZAÍ DA SILVA
LINK: http://antoniozai.wordpress.com/2010/03/27/a-influencia-doa-professora/







As torturas que a Folha mostra e a que esconde
Posted: 25 Mar 2010 04:00 AM PDT
Hoje, na Folha, Eliane Cantanhêde escreve: Sem adjetivos
BRASÍLIA - "Eu sabia que estava com um cheiro de suor, de sangue, de leite azedo. Ele [delegado Fleury] ria, zombava do cheiro horrível e mexia em seu sexo por cima da calça com olhar de louco." De Rose Nogueira, jornalista em São Paulo. Da ALN, foi presa em 1969, semanas depois de dar à luz.
http://blogdomello.blogspot.com/2010/03/as-torturas-que-folha-mostra-e-que.html






Esta semana, no Café Historia:


MISCELÂNEA

A História do Cinema ao Alcance de Todos

Sites disponibilizam, gratuitamente, centenas de filmes antigos que estão em domínio público

CAFÉ EXPRESSO NOTÍCIAS

Metas do próximo Plano Nacional de Educação podem incluir erradicação do analfabetismo e mais financiamento

CINE HISTÓRIA

Preciosa - Vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado está em cartaz nos cinemas brasileiros e conta uma história e tanto.

FÓRUNS

Qual a participação do Padre Pedro de Souza Tenório, vigário de Itamaracá na revolução de 1817?

BLOG EM DESTAQUE!

Mauro Cesar Bandeira sugere que historiadores façam mais pesquisas sobre as origens sobre as favelas brasileiras. O que você acha sobre essa sugestão? Leia o texto e deixe um recado para o Mauro em:http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/os-historiadores-poderiam?xg_source=msg_mes_network

PÓS-GRADUAÇÃO - ESTÁ ACABANDO!

Esta é a última semana para você fazer sua matrícula no curso de pós-graduação a distância em História Contemporânea da PUC-RS. Vejas as condições em: http://cafehistoria.ning.com/page/divulgacao-parceria?xg_source=msg_mes_network

MISCELÂNEA

O Desafio da Indisciplina Escolar

Indisciplina é considerada por educadores como um dos problemas mais recorrentes dentro de sala de aula. Mas será que a escola está lidando corretamente com esta questão?

CAFÉ EXPRESSO NOTÍCIAS

Pesquisadores acreditam ter encontrado um novo ancestral do homem

FÓRUNS

Quais as melhores práticas pedagógicas para solucionar a indisciplina escolar ?

Por quê estudamos causa e consequência?

Onde baixar filmes para aulas de história?

VÍDEOS

Educação - A confusão das regras no combate à indisciplina

Os Grandes Egípcios - Cleópatra

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network







Café Fluminense e a crise de 1889
D. João VI, provavelmente, soube do comércio do café no Rio de Janeiro graças aos franco-caribenhos, que fugindo da Revolução dos negros do Haiti vieram para o Brasil e logo detectaram as boas condições de clima e altitude da serra da Tijuca para o plantio e passaram a comercializar café no mercado frente ao Paço onde se hospedou D. João ao chegar.
Leia em: http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=1079



Informamos a todos que estão abertas as inscrições para apresentação de Comunicação e apresentação de Painel do XVII Encontro Regional de História da ANPUH-MG que irá ocorrer entre os dias 18 a 23 de julho de 2010, no Campus Santa Mônica, na Universidade Federal de Uberlândia.O período de inscrições será de 14/03/2010 a 16/04/2010. Maiores informações poderão ser obtidas no site http://www.anpuhmg.com.br/ .

Contamos com a divulgação e a participação de todos.




V Encontro História Anpuh BA

De 27 a 30 de julho de 2010.

Local: Universidade Católica do Salvador

Incrições abertas!

As inscrições para apresentação de trabalhos já estão abertas!

Mais informações: www.ucsal.br/vencontroanpuhba

Comunidade: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=99514245

Blog: http://vencontroanpuhba.blogspot.com/



Seminário A invenção de um Brasil Musical
Este seminário está centrado na produção musical brasileira do século XIX:

Dia 07 de Abril de 2010, no Teatro II do CCBB RJ, a partir das 10h.

1. Música, história e sociedade Conferencista: Prof. Drª. Martha Abreu (UFF)Horário: 10h15

2. Da Ópera Nacional a uma nação musical: a música e o Império do Brasil. Horário: 11h30Prof. Dr. Marcos Bretas (UFRJ): Música e sociedade no Rio de Janeiro do século XIXProf. Dr. André Cardoso (UFRJ): Organistas e organeiros da Capela Real e Imperial do Rio de Janeiro.Prof. Dr. Antonio Augusto (OSB/UFRJ):A civilização como missão: o Conservatório de Música no Império do Brasil

3. Tangos, polcas e maxixes: a formas populares sobem à cena. Horário: 14h15Profª. Drª. Marta Tupinambá de Ulhôa (UNIRIO): Os "dançados nacionais" no teatro da corte em meados do século XIX.Profª. Drª. Beatriz Magalhães Castro (UNB):"Quem (ou quando) foi...?": expressões de identidade e hibridismo na música brasileira.Profª. Drª. Monica Leme (Pedro II):Os editores e compiladores de música ligeira no século XIX e seu papel na invenção da "música popular brasileira".

4. Mágicas aparatosas: o teatro musical e suas tensões. Horário: 15h45Profª. Drª. Silvia Cristina Martins (UEL): “Que venham negros à cena com maracas e tambores”: jongo, teatro e campanha abolicionista no Rio de Janeiro.Profª. Drª. Vanda Freire (UFRJ):A música e a construção de imagens dialéticas nas mágicas do Rio de Janeiro e de Lisboa.Prof. Dr. Fernando Mencarelli (UFMG):A voz e partitura: indústria e diversidade

5. A República musical: a re-significação da modernidade. Horário: 17h15Prof. Dr. Aldrin Figueiredo (UFPA):Entre a coroa e o triunfo: a música e os círculos intelectuais no Pará entre fim do Império e o alvorecer da República.Prof. Ms. Avelino Pereira (UNIRIO):Nação e modernidade em Leopoldo Miguez e Alberto NepomucenoProf. Dr. Samuel Araújo (UFRJ):Desordem e progresso: o som e a política no carnaval oitocentista do Rio de Janeiro




Uma idéia brilhante


O médico e historiador Luís Mir teve uma grande idéia: tirar a morte de Tancredo Neves do reino da lenda e transportá-lo para a História. Tancredo foi o primeiro presidente eleito após a ditadura. Na véspera da posse, foi operado de um tumor no intestino e jamais se recuperou, não chegando a assumir o cargo. Sua morte, há 25 anos, foi cercada de mitos – inclusive o de que levou um tiro no estômago (e os devaneios vão até o local onde o fato teria ocorrido: a Catedral de Brasília).
Mir foi à fonte primária dos fatos: os prontuários médicos de Tancredo Neves. Sua primeira revelação é uma bomba: Tancredo tinha mesmo um tumor, mas seria possível escolher a data da cirurgia, já que não havia emergência. Outra bomba: o transporte de Tancredo a São Paulo, num avião sem equipamento médico, foi um erro desnecessário. Mas o livro de Mir não faz julgamentos de valor: traz apenas fatos médicos, aqueles descritos nos prontuários do dia a dia, desde a primeira internação de Tancredo até o dia de sua morte, digamos, oficial.
Pois há a terceira bomba: a rigor, a rigor, Tancredo estava morto desde o dia 19 de abril, enquanto a morte só foi anunciada no dia 21. Mas vale a pena acompanhar os acontecimentos pelo livro, que será lançado nos próximos dias.
Mir não quer fazer um lançamento oficial, apenas colocar o livro na praça. Sai logo, pela Mírian Paglia Editora de Cultura: já está sendo impresso.

(Carlos Brickmann, no Observatório da Imprensa, 30/3/2010)







História e Música no Brasil
O percurso da música para além dos tempos

Este livro tem como objetivo distinguir as projeções da história na música e escutar as reverberações dos acontecimentos nas sonoridades produzidas pelas sociedades. Considerada utópica ou irrealizável, esta dupla tarefa acabou definindo um horizonte de pesquisas e absorveu boa parte dos esforços dos historiadores e musicólogos nas últimas décadas e agora, este esforço é editado em livro organizado pelos historiadores José Geraldo Vinci de Moraes e Elias Thomé Saliba.
A historiografia brasileira, ainda que de maneira tardia e tímida, tem penetrado cada vez mais neste território, contribuindo para ampliar estudos e reflexões situados na relação entre as sonoridades e a história. Todavia não existem padrões nem fronteiras definidas, uma vez que é inútil procurar pelo paradigma musical brasileiro, sobretudo em nossa cultura diversificada, na qual a ética de fundo emotivo sempre vence a razão pública e não há regras que resistam uma boa imagem musical ou rítmica.
História de Música no Brasil revela alguns dos mais recentes estudos neste diversificado universo. Para isso são analisados diferentes épocas e lugares: da música religiosa e dos grupos étnicos no período colonial da Corte Joanina; da “misturada de gêneros” de polcas, valsas, tanguinhos, batuques e maxixes de Nazareth e Henrique Alves de Mesquita, aos choros e arranjos de Pixinguinha; dos sambas patrioteiros dos anos 1930-40 aos arranjos “jazzificados” das bandas que alegravam os salões de baile paulistanos dos anos pós-guerra; da desconhecida produção da indústria fonográfica na São Paulo dos anos 1930, ao papel da radiofonia e dos cronistas na construção de uma narrativa historiográfica – consagrada, afinal, como “história da MPB”.
Assim, este livro convida os leitores para saborear as melodias que marcaram época e faz com que leitor queria participar, com sua própria experiência de leitura e de escuta, deste novo horizonte de pesquisas das sonoridades da história brasileira.

Os autores: Paulo Castagna, Mauricio Monteiro, Cacá Machado, Virgínia De Almeida Bessa, José Geraldo Vinci De Moraes, João Ernani Furtado Filho, Camila Koshiba Gonçalves, Francisco Rocha, Elias Thomé Saliba.
Livro: História e Música no Brasil
Autor: José Geraldo Vinci de Moares e Elias Thomé Saliba (orgs.)
Edição: Alameda (11 3012-2400)
Preço: R$ 78,00 (412 páginas), acompanha CD de músicas




Informamos que estão abertas as inscriçoes do curso de Pós-Graduação Lato Sensu : MBE EM PROJETOS DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO (MDL) E MERCADOS EMERGENTES - no centro do Rio de Janeiro/RJ (*).
Torne-se especialista em Gestão ambiental Pública e Privada, incluindo as Legislações, Licenciamentos, desenvolvimento sustentável regional, Selos ambientais e Certificações (ISO 14000/14064/14065); SGI, Contratos, Monitoramentos, Auditorias, PCHs, Inventários de Emissões e neutralizações. Estudos de caso de projetos de REDD, Aterros Sanitários, Eficiência energética, Biomassa, Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo(MDL) e os Mercados de Carbono.

A coordenação deste curso é elaborado em parceria com o NITS (Núcleo de Inovação e Tecnologia para Sustentabilidade) e a Universidade Católica de Petrópolis (curso registrado no MEC)

- Informações Gerais:
- Duração: 16 meses – Carga horária total: 360 Horas
- Previsão data inicio: 09 / abril / 2010
- horários: Aulas quinzenais - 6ª feiras: 18:30h às 22:30h e sábados : 8:30h às 17:30h
- Local: Rua do Carmo 71, 2o andar – Centro - Rio de Janeiro
- Valor investimento: taxa de matrícula de R$ 75,00 e 22 de R$ 390,00.
- Contatos e duvidas (NITS): (21) 2621-4587 / (21) 2613-5257 (Marcos, Maicon)- (2a à 6a, de 9 h às 18h)

- Email: denisedemattos@gmail.com
As matrículas já estão abertas para todos os interessados que poderão se inscrever gratuitamente e ou obter maiores informações no site:
http://www.nitsustentabilidade.org/desenvolvimento-profissional/pos-graduacao/mecanismo-de-desenvolvimento-limpo-%28mdl%29.aspx
- A inscrição neste curso garante automaticamente a inscrição e participação nos seguintes eventos:
a.1. V Congresso Nacional de Excelência em Gestão
a.2. Simpósio Internacional de Transparência nos Negócios.


Workshop da cultura indiana

AS AULAS SERÃO AGENDADAS PELO EMAIL: renatasamper@gmail.com

ou (61) 9969 1913 com Renata.

Temos aulas no período da manhã, tarde e noite. De segunda a sexta e no final de semana.
Dias 30 e 31 de março; 1, 2, 3 e 4 de abril – Turmas de workshop de dança, vocal indiano e tabla.
De 5 de abril a 2 de maio – Turmas de workshop de dança, vocal indiano, tabla e harmônio.


WORKSHOP DE KUCHIPUDI – DANÇA CLÁSSICA INDIANA
COM SANDEEP BODHANKER
Público Alvo: : Homens e mulheres de todas as idades interessados na cultura indiana.
Investimento:
Aula individual - R$ 100,00 hora/aula;
Coreografia/ aula com 3 a 5 alunos - R$ 800,00 por aluno
Workshop com 8 horas de duração - R$300,00 por aluno
50% de desconto para crianças abaixo de 10 anos. Acima de 3 crianças inscritas abriremos turma especial.

WORKSHOP DE VOCAL INDIANO
COM SANDEEP BODHANKER
Público Alvo: Interessados na cultura indiana em geral.
Investimento:
Aula individual - R$ 100,00 hora/aula;
Pacotes com 3 a 5 alunos:

15 horas/aula - R$ 1.000,00 por aluno

Basico + Dois Bhajans + Uma música Clássica +Teoria = R$ 1.500,00 por aluno (para iniciantes)

Cinco Bhajans + Três músicas Clássicas +Teoria = R$ 2.400,00 por aluno (para alunos que já estudaram o básico)
WORKSHOP DE DANÇA E MÚSICA
COM SANDEEP BODHANKER
Uma Dança + Dois Bhajans + Uma música Clássica +Teoria Música = R$ 1.800,00 por aluno (20 horas/aula)

Uma Dança + Quatro Bhajans + Duas músicas Clássicas +Teoria Música = R$ 2.200,00 por aluno (25 horas/aula)
GRUPOS DE ATÉ 3 ALUNOS.


WORKSHOP DE TABLA E NOÇÕES DE PERCUSSÃO INDIANA
COM EDUARDO ROSCOE
Público Alvo: Interessados na cultura indiana em geral maiores de 13 anos
Investimento:
R$ 50,00 hora/aula
Os interessados devem trazer a tabla ou outro instrumento de percussão compatível para as aulas.


WORKSHOP DE HARMÔNIO
COM THAÍS MONTI
Público Alvo: Interessados na cultura indiana em geral
R$ 50,00 hora/aula
Os interessados devem trazer o harmônio.


Momento de humor.Eu só queria saber como é o outro jeito...rssss





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial